Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Guto pede manutenção de “sintonia” entre torcida, time e diretoria

Bruno Grossi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

De time em crise e com relação estremecida com os torcedores, a Portuguesa agora acumula duas vitórias seguidas no Campeonato Brasileiro e ganhou de volta o apoio da massa rubro-verde. Empolgado com a sintonia afiada entre os jogadores e as arquibancadas na vitória por 2 a 1 sobre a Ponte Preta, Guto Ferreira garante que essa é a receita ideal para que a Lusa escape da zona de rebaixamento.

“A torcida foi fantástica. Empurrou, jogou junto. Neste momento a gente começa a vivenciar uma coisa aqui, que é a união de forças da torcida com o time e também dentro do grupo”, destacou o treinador, antes de revelar que até os jogadores que não foram relacionado para enfrentar a Macaca compareceram ao Canindé na noite de quarta-feira para apoiar os companheiros.

“Todos os jogadores que não estavam convocados compareceram de vontade própria, vieram no vestiário dar força aos colegas. Isso é grupo. Transmite uma sintonia para buscar o melhor para o clube. Se a equipe entrou e jogo assim nos últimos dois jogos (4 a 2 sobre o Bahia no final de semana) é porque mudanças boas dentro e fora do campo estão acontecendo. Direção, equipe e torcida unidos fazem uma equipe muito forte”, exaltou.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Guto Ferreira espera que o espírito apresentado pelos rubro-verdes contra a Ponte se mantenha no Brasileiro
Se o elenco mostrou comprometimento ao assistir ao confronto com a Ponte de maneira espontânea, a torcida também cumpriu seu papel. De acordo com Guto, líderes da torcida organizada Leões da Fabulosa garantiram apoio incondicional durante toda a partida contra os campineiros e que só vaiariam em caso de má atuação após o término do jogo.

“Eles trouxeram um apoio com uma cabeça aberta, dizendo que estavam com a gente. E não foi da boca para fora: eles chegaram e empurraram a gente. Disseram que era para jogar o que fosse, que empurrariam nos noventa minutos. Se não jogássemos bem, no final talvez eles protestassem. Mas ainda bem que jogamos muito e vencemos para eles poderem comemorar junto com a gente”, celebrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade