Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Por "trégua", executivo de futebol da Ponte Preta pede demissão

Campinas (SP)

A crise instalada na Ponte Preta ganhou um novo episódio na tarde desta quarta-feira. O executivo de futebol da Macaca, Ocimar Bolicenho, pediu demissão do cargo para “salvaguardar a instituição”, como diz trecho da nota publicada no site oficial da Macaca.

“Considero que minha saída é uma trégua necessária para a Ponte, que precisa de paz para atravessar o momento. Gostaria de ficar até o final da competição, mas acredito que este ato trará a serenidade e energia necessárias agora”, declarou Bolicenho.

O dirigente deixa a Ponte na penúltima colocação do Campeonato Brasileiro e em meio à insatisfação dos torcedores, que na última semana foram em grupo de 20 pessoas ao centro de treinamentos do clube protestar e se envolveram em princípio de confusão com os seguranças.

“Reafirmo que meu trabalho deveria e deverá ser avaliado pelo resultado da temporada. Estou abreviando minha permanência, mas espero que em 8 de dezembro possa comemorar a manutenção da Ponte na série A, que será mais um objetivo cumprido na minha missão. Confio plenamente que os resultados serão alcançados, mas seja qual for o final, assumo total responsabilidade sobre ele”, afirmou Bolicenho.

PontePress/DJota Carvalho
Ocimar Bolicenho era um dos principais alvos da torcida por causa do momento ruim da Ponte
O presidente do clube campineiro, Márcio Della Volpe, fez um balanço positivo da passagem de Bolicenho pelo Moisés Lucarelli e ressaltou que a decisão de sair foi tomada pelo ex-dirigente.

“A diretoria pontepretana confia no trabalho de Ocimar e pedimos a ele que permanecesse, mas foi uma decisão pessoal irrevogável. Trouxemos Bolicenho como parte de uma estratégia de termos alguém com experiência no mercado e no intuito de fazer uma organização necessária em todo departamento de futebol, o que conseguimos”, disse Della Volpe.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade