Futebol/Brasileiro Série B - ( )

"Qualquer coisa pequena é uma fumaça do caramba aqui", alerta Wesley

William Correia São Paulo (SP)

O Palmeiras lidera a Série B com cinco pontos de vantagem e está a 15 do quinto colocado, primeiro time fora da zona de acesso. Mas a eliminação na Copa do Brasil há duas semanas, com bronca pública do presidente Paulo Nobre, mostrou aos jogadores o que é atuar no clube: qualquer tropeço pode se tornar uma crise.

Wesley simplificou a situação ao vetar empolgação após a vitória sobre o ASA, nessa terça-feira. “Por fruto do trabalho, as coisas começaram a dar certo, mas não podemos deixar a peteca cair. Qualquer coisa que aconteça aqui, mesmo pequena, já é uma fumaça do caramba”, definiu.

O recado é claro: só o acesso trará paz. “Sabemos como é trabalhar no Palmeiras. Enquanto não conseguirmos o objetivo, talvez eu mesmo não durma direito. Ainda falta muito, mas quero um fim de ano feliz e me preocupo muito em fazer o melhor para colocar o Palmeiras onde nunca deveria ter saído”, disse Wesley.

A prova do peso de qualquer derrota está nas repetidas explicações sobre a derrota por 3 a 0 para o Atlético-PR, em atuação apática na avaliação de Paulo Nobre. Wesley, por exemplo, ressaltou a recuperação rápida, como tem que ser diante da pressão no Verdão.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Time faz festa, mas aprendeu com eliminação na Copa do Brasil que a cobrança não para
“Futebol é dinâmico, rápido. Foi uma noite na qual nada deu certo. O Atlético-PR vive um grande momento, mas sabemos que poderíamos ter jogado de igual para igual. Só que não deu certo, não aplicamos o nosso melhor futebol. Paciência. Todos ficaram revoltados pelo jeito que foi a derrota. Mas foi uma situação que já passou”, tentou minimizar o volante.

Toda a cobrança depois da eliminação na Copa do Brasil, contudo, virou uma lição para a equipe não se contentar com nada além de derrota nas 17 partidas que restam na Série B. “Viemos de derrota após 12 jogos invictos e já deu turbulência, imagina se acontece isso na reta final...”, alertou Fernando Prass.

“Só teremos tranquilidade quando conquistarmos o título. E ainda assim depois, se perdermos, vai ter gente falando, como foi comigo com o Vasco em 2009. Em qualquer time grande, você tem que ganhar até amistoso. Temos que tentar vencer todos até o final. É claro que é impossível, mas só podemos descansar depois do jogo contra a Chapecoense”, completou o goleiro, citando o compromisso da última rodada, em 30 de novembro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade