Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Romário pede moralização do futebol contra "corrupta" Conmebol

Bruno Oliveira, especial para a GE.NET São Paulo (SP)

Atualmente exercendo cargo de deputado federal, Romário é um dos principais críticos aos gestores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). E, em evento realizado no Parque São Jorge, em São Paulo, nesta quarta-feira, evidenciou seu inconformismo com a maneira que a entidade nacional e a Conmebol (Confederação Sul-americana de Futebol) tem conduzido o esporte mais popular do mundo.

Na reunião organizada na sede do Corinthians, Romário fez críticas intensas principalmente ao dirigente Marco Polo Del Nero. Presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF) e vice da CBF, o mandatário estadual é apontado como provável sucessor de José Maria Marin no comando da instituição nacional, em 2014.

“É um efeito dominó. Por coincidência ou não, essas três entidades (Conmebol, CBF e FPF) que você citou têm um nome em comum: Marco Polo Del Nero. O que foi apresentado aqui por advogados do Uruguai mostra que é uma vergonha o que acontece. Tenho tido uma luta constante pela moralização do futebol, uma fiscalização melhor da Copa do Mundo de 2014”, afirmou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Através de entrevistas e publicações nas redes sociais, Romário costumeiramente critica CBF

Ao lado de líderes de clubes sul-americanos, ex-atletas e sindicatos de jogadores, Romário teve o argentino Diego Maradona como um de seus aliados contra os dirigentes. A corrupção foi o grande tema de reunião, que marca o início de uma comissão opositora aos comandantes do futebol no continente. “Não imaginava que existisse uma instituição mais corrupta que a Fifa e a CBF. Consegui encontrar. A coisa é muito pior do que imaginamos”, completou.

No evento em território paulista, mais de 20 clubes sul-americanos marcaram presença. Entre os brasileiros, Corinthians, Santos e Botafogo, que enviou uma carta. Já entre os internacionais, Peñarol (Uruguai), Nacional (Uruguai), LDU (Equador), Libertad (Paraguai), Caracas (Venezuela), Sporting Cristal (Peru) e Bolívar (Bolívia). O Zamora (Venezuela) foi representado por seu presidente, Adelis Chávez, irmão mais novo do já falecido Hugo Chávez.

“Eu tenho absoluta certeza de que, quando os clubes brasileiros tomarem consciência do que vem acontecendo na Conmebol nos últimos anos, a atitude será de se unir e cobrar. Não sei em que ordem, instituição, tudo aquilo que foi tirado dos cofres desses clubes. Quando todos tiverem a exata noção dos valores, não há outra atitude a não ser se reunir e tomar uma decisão com tudo de ruim que a entidade vem fazendo. Se continuar, vai ainda piorar”, encerrou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade