Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Santos tropeça contra lanterna e perde chance encostar no G-4

Do correspondente Rodrigo Martins Santos (SP)

Em jogo atrasado da 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos tropeçou e desperdiçou a chance de se aproximar ainda mais do G-4 da competição. O Peixe ficou no 1 a 1 com o lanterna Náutico. Maikon Leite abriu o placar para os visitantes, com Cícero empatando para os donos da casa.

Apesar de ter perdido a chance de pular para o quinto lugar, a equipe santista ainda subiu uma posição. Agora, o time praiano é o sexto do Brasileirão, com 33 pontos ganhos.

O Alvinegro Praiano volta a campo diante do Atlético-MG, no próximo domingo, às 18h30 (horário de Brasília), no Estádio Independência. Já a equipe alvirrubra recebe o Coritiba, sábado, na Arena Pernambuco

O jogo - Em boa trama do ataque, aos quatro minutos, o Santos criu a sua primeira boa chance de gol. O atacante Giva recebeu do centroavante Willian José, mas não pegou bem na bola, chutando-a por cima do gol de Gideão.

O Peixe voltou a assustar aos 15, quando em lance iniciado por Cícero. O cruzamento do meia, vindo da direita, quase surpreendeu o goleiro do Náutico, a bola sobrou para Giva finalizar e Gideão realizou mais uma grande defesa. O chileno Mena ainda pegou o rebote, que foi parar nos pés de Willian José, mas o centroavante errou o arremate, mandando a bola por cima do gol.

Na busca pela abertura do placar, o time praiano sofreu um duro golpe ao perder o meia Montillo, com dores na panturrilha direita, substituído aos 32. O jovem Leandrinho entrou no seu lugar.

No fim do primeiro tempo, aos 40, o Timbu teve a sua melhor oportunidade. Em bola recuperada no meio-campo, o atacante Rogério foi acionado, driblou a marcação e soltou a bomba, para boa defesa de Aranha, que estava atento e não foi surpreendido pela finalização do adversário.

Com o intuito de conquistar a vitória, o técnico Claudinei Oliveira abriu mão do volante Renê Júnior, no intervalo. O meia Léo Cittadini entrou na equipe, para dar maior poder de criatividade ao meio-campo alvinegro.

Porém, a primeira grande chance de gol da etapa complementar foi dos visitantes. Aos cinco, Maikon Leite aproveitou erro de Mena e cruzou para Rogério, que muito próximo ao gol, já dentro da pequena área, tocou por cima do gol de Aranha.

O Santos tentou responder aos nove, mas Léo Cittadini não conseguiu colocar a força necessária para superar Gideão, facilitando a defesa do arqueiro do Náutico.

Perigoso no segundo tempo, o Timbu levou perigo aos 11, quando Maikon Leite passou por Mena, invadiu a área e bateu forte, com a bola saindo próxima a meta santista.

O Peixe voltou a assustar, aos 21, em cobrança de falta na entrada da área. Cícero bateu a infração, mas a bola passou sobre o gol de Gideão, em mais uma oportunidade desperdiçada pelos donos da casa.

Arte GE.Net
Com Dadá no lugar de Luiz Eduardo, na lateral esquerda, o time pernambucano teve uma de duas melhores chances, aos 25. Em arremate de fora da área, Maikon Leite acertou o travessão de Aranha.

No minuto seguinte, o treinador alvinegro resolveu promover a sua última alteração, com a entrada de Gabriel no lugar de Giva, que chegou a ser vaiado por alguns torcedores. Do outro lado, Rogério deixou o campo, substituído por Hugo.

Mesmo com a tentativa de pressão do Santos, os perigosos contra-ataques do Náutico continuavam sendo uma ameaça. E, em um deles, aos 37, Maikon Leite ganhou na velocidade de Mena, invadiu a área e bateu cruzado, abrindo o placar para os visitantes: 1 a 0.

Com algumas vaias da torcida e gritos cobrando mais empenho dos jogadores, o Peixe logo chegou ao empate. Aos 39, Cícero acertou forte chute, em cobrança de falta, sem chances de defesa para Gideão.

O próprio Cícero esteve perto de conseguir a virada para o seu time, aos 48. Em nova cobrança de falta do meia, Gideão fez a defesa, espalmando o chute e salvando a sua equipe da derrota na Vila.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade