Futebol/Campeonato Brasileiro Série C - ( - Atualizado )

STJD não exclui Betim da Série C, mas equipe perde seis pontos

Rio de Janeiro (RJ)

O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) decidiu não excluir o Betim da Série C do Campeonato Brasileiro. Em caso julgado nesta quinta-feira, a equipe acabou punida com a perda de seis pontos devido a uma dívida com o Nacional da Ilha da Madeira, de Portugal – punição prevista inicialmente pela Fifa, em 21 de agosto. A pendência é referente à transferência do lateral Luisinho, em 2006, época em que o time ainda se chamava Ipatinga.

Os mineiros ainda foram multados em R$ 15 mil pelas ações no clube no processo. Além disso, o presidente do clube, Itair Machado, está suspenso das atividades desportivas e não poderá exercer seu cargo até que retire o processo que abriu na Justiça Comum, em tentativa de obterem liminar para impedirem a perda dos pontos.

Com isso, a equipe mineira passa a ter apenas 11 pontos e ocupa agora a nona colocação do Grupo C da terceira divisão nacional, posto que hoje o rebaixaria à Série D, com apenas um a menos que o Duque de Caxias.

As duas equipes se enfrentariam no último sábado, mas tiveram a partida adiada justamente pela indefinição do futuro dos mineiros na competição. Neste sábado, o Betim encara o Vila Nova na Arena do Calçado, em Minas Gerais.

Duque é absolvido por escalar Rafinha

O time carioca, por sinal, também foi julgado pelo STJD nesta quinta-feira. Diferente do Betim, no entanto, o desfecho de seu caso foi positivo e em nada altera sua situação na tabela de classificação da Série C do Campeonato Brasileiro.

Denunciante no caso, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) foi considerada culpada por erro no banco de dados de seu Boletim Informativo Diário (BID) que fez desaparecer o nome do atacante Rafinha – jogador que a entidade considerou irregularmente escalado na terceira e quarta rodadas da competição.

Para a CBF, o jogador tinha contrato válido apenas até o dia 23 de abril. O Duque, contudo, apresentou documento de 2010 que comprovou a extensão de seu vínculo por cinco anos, levando os auditores votarem a favor do clube carioca de maneira unânime. O caso já havia sido julgado no dia 16 de agosto, também com absolvição da equipe do Rio de Janeiro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade