Futebol/Brasileiro Série B - ( )

Tropeços de membros do G-4 viram exemplo para Palmeiras se conter

William Correia São Paulo (SP)

A última rodada na Série B do Brasileiro foi positiva para o Palmeiras, que venceu o ASA e abriu cinco pontos de distância na liderança e 12 para o quinto colocado, primeiro clube fora da zona de acesso. Mas os jogos dos adversários também serviram para alertar o time, como pontuou Serginho.

“O Chapecoense, segundo colocado, bem no campeonato, saiu de casa achando que podia ganhar fácil do Oeste, perto da zona de rebaixamento, e perdeu. O Paraná, terceiro colocado, tomou dois do São Caetano, que está na zona de rebaixamento. E o Sport, em quarto, foi pegar o ABC, que também está na zona, e tomou quatro”, descreveu o meia-atacante.

As derrotas dos concorrentes mais próximos viraram uma lição para o Verdão não se empolgar e, assim, aproveitar os tropeços dos rivais para consolidar sua volta à primeira divisão. “Cada jogo é um jogo. Temos que estar preparados para tudo. Os adversários querem mostrar sempre contra o Palmeiras, precisamos estar atentos para aproveitar as brechas dos adversários e conseguir o acesso o quanto antes”, completou Serginho.

O recado é simples: lutar tanto quanto os rivais. Gilson Kleina exige isso de seu elenco desde o começo da Série B do Brasileiro, mas a eliminação na Copa do Brasil, embora traumática, serviu para mostrar que nem sempre é possível entrar em campo desligado e buscar a virada depois.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Serginho cita derrotas de Chapecoense, Paraná e Sport para exigir que time corra, ao menos, como adversários
“Não é fácil disputar a Série B. O talento e a qualidade dos times grandes são bem maiores, assim como a estrutura, mas é necessário se preparar e entrar focado, com o objetivo do acesso para que as coisas fluam”, ensinou Wendel, acompanhado por Serginho, que exige esforço como prova de grandeza do maior campeão de torneios nacionais da história do futebol brasileiro.

“O time grande tem sempre que entrar em campo com o espírito da divisão em que está. A Série B é muito diferente da Série A, todos os jogadores querem mostrar contra o Palmeiras porque querem estar onde estamos. Por isso, precisamos do espírito da competição para nos diferenciar das outras equipes”, indicou o meia-atacante.

Os cálculos da torcida, prevendo o acesso já no mês que vem, estão proibidos no clube. “Não podemos nos deixar influenciar nem se acomodar. O objetivo é, a cada jogo, fazer o nosso papel da melhor maneira possível. Quanto mais rápido o acesso, melhor. Temos a expectativa de subir logo e lutar principalmente pelo título. Pela grandeza do Palmeiras, não importa o campeonato, precisamos lutar por título”, ressaltou Wendel.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade