Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Atlético-MG atropela Ponte Preta, vai ao quinto lugar e já vê G-4

Do correspondente Wanderson Lima Belo Horizonte (MG)

Mesmo sem o craque Ronaldinho Gaúcho, o Atlético-MG vem provando que segue como um time extremamente competitivo. O Galo não tomou conhecimento do cansaço da equipe da Ponte Preta e goleou a Macaca por 4 a 0, nesta quinta-feira, no Independência. O time de Campinas jogou pelo Brasileiro na última terça-feira, e menos de 48 horas depois já estava em campo, obrigando Jorginho a poupar alguns titulares.

Sem entrosamento, os visitantes não resistiram à pressão atleticana, e logo no começo da partida sofreram o primeiro gol de Marcos Rocha. Não demorou muito e Jô também balançou as redes ampliando o placar no Horto. Jô repetiu a dose no segundo tempo e Alecsandro fechou o marcador. Com o triunfo, o Atlético-MG volta ao quinto lugar no Brasileiro com 38 pontos, deixando a Ponte Preta estacionada na vice-lanterna com apenas 22 pontos.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG terá novo compromisso diante da torcida, recebendo o Corinthians, domingo, no Independência. Já a Ponte Preta volta a atuar longe do Majestoso, visitando o Bahia, na Fonte Nova, em Salvador.

O jogo – Atuando em casa e aproveitando o cansaço da Ponte Preta, o Atlético-MG iniciou o duelo pressionando a Macaca, e o primeiro gol não demorou a sair. Aos seis minutos, o Galo encaixou uma boa trama ofensiva que começou e terminou com o lateral Marcos Rocha, que teve que finalizar duas vezes para vencer o goleiro Roberto e abrir os trabalhos no Horto.

Sentido a falta de entrosamento, a Ponte Preta errou muito na saída de bola, facilitando a vida dos mineiros, que mesmo com a abertura do placar seguiram agredindo a equipe de Campinas. A movimentação de Tardelli, Luan e Fernandinho confundiram bastante a defesa visitante, gerando boas oportunidades de gol para os atleticanos.

Divulgação/Atlético Mineiro
Com dois gols, Jô brilhou e comandou mais uma vitória do Galo no Campeonato Brasileiro
Em um dos grandes momentos do Galo, Jô escorou de cabeça para Luan, que acertou o ângulo de Roberto, que teve que esticar todo para evitar o dilatamento do marcador. Aos 23, Luan devolveu a gentileza em cobrança de falta, rolando para Jô, que mandou a canhota com violência, sem chance para o goleiro da Macaca, que só viu a bola estufando as redes e a vibração da torcida do Galo.

Mesmo com a boa vantagem no marcador, o técnico Cuca exigiu dos comandados que não diminuíssem o ritmo, e os atletas atenderam o pedido, sufocando a equipe paulista, que só conseguiu ameaçar em lances esporádicos. No fim da primeira etapa, a torcida reconheceu o bom futebol do Atlético-MG e aplaudiu a equipe.

Arte GE.Net
Na volta para o segundo tempo, o Galo seguiu com as rédeas do jogo, mas atuando com menor intensidade. As inversões de posição entre os atacantes atleticanos continuaram acontecendo, gerando muitas dificuldades para a marcação da Ponte Preta. As subidas dos laterais Marcos Rocha e Júnior César também foram responsáveis por algumas jogadas dos donos da casa.

Sem o craque Ronaldinho Gaúcho, especialista em cobranças de falta, o técnico Cuca abusou das jogadas ensaiadas. Durante a partida, as cobranças com Tardelli, Luan e Jô foram muito usadas, e quase sempre abriam espaços na zaga da Macaca, levando Jorginho à loucura no banco do time de Campinas.

Jogando com tranquilidade, os donos da casa não tiveram problemas para chegar ao terceiro gol, novamente com Jô, que recebeu assistência açucarada de Leandro Donizete e bateu cruzado, sem chances para Roberto, praticamente confirmando a vitória no Horto. Como o time de Campinas ameaçava pouco, Cuca resolveu poupar jogadores, sacando Júnior César, Josué e Fernandinho.

Um dos momentos que mais chamou a atenção no Independência foi a vibração da torcida do Galo quando o avante Jô recebeu o terceiro cartão amarelo. O jogador vai servir a Seleção Brasileira e como já ficaria de fora do jogo do próximo domingo, forçou o cartão. Provável substituto de Jô, Alecsandro não queria passar em branco e no jogo, e aos 38, completou cruzamento da direita para fazer o placar virar goleada.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade