Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Contra-ataques viram arma do Furacão para volta diante do Grêmio

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes Curitiba (PR)

Com uma atuação segura na Vila Capanema, o Atlético Paranaense fez 1 a 0 sobre o Grêmio e levou uma vantagem importante para o jogo de volta das semifinais da Copa do Brasil na próxima semana. O atacante Ederson, que desta vez não balançou as redes, mas teve boa movimentação em campo, acredita que, pelas características do confronto, o contra-ataque será a arma mortal do Furacão no Rio Grande do Sul.

“Sabemos que 1 a 0 ainda é um resultado complicado. Poderíamos ter feito uma vitória maior em casa. Mas, eles virão para cima com tudo e temos que armar um contra-ataque bem feito para chegar à final”, disse o jogador, que está confiante na vaga inédita para a decisão. “Nosso time é muito rápido e tem que ter vontade para chegar lá e matar o jogo. Temos condições de buscar essa classificação”, acrescentou.

Para o meia Paulo Baier, além da vantagem do empate, o fato de não ter tomado gols em casa pode pesar a favor em Porto Alegre. Porém, o maestro admite que a decisão está em aberto. “Não tomamos gols e isso conta. Na Copa do Brasil é importante. Lá o Grêmio terá que ir para o jogo e temos condições de buscar um bom resultado. Está aberto. Temos uma vantagem, mas tem muita coisa pela frente”, concluiu.

Divulgação/CAP
Artilheiro Ederson trabalhou como garçom em Curitiba e é esperança nos contra-ataques em Porto Alegre
AS duas equipes voltam a campo na próxima quarta-feira, quando se enfrentam na Arena do Grêmio. Em caso de empate, independentemente do número de gols, a vaga fica com o Furacão, que também se classificará com qualquer placar com um gol de diferença caso marque fora de casa. Aos gremistas resta reverter a vantagem e levar para os pênaltis ou marcar dois gols de diferença.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade