Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Cruzeiro começa avassalador, dá susto na torcida, mas reage e vence

Do correspondente Wanderson Lima Belo Horizonte (MG)

Quem ainda tinha dúvidas sobre a força do Cruzeiro, viu neste sábado, que dificilmente a Raposa perderá o título Brasileiro da temporada. De forma avassaladora, o time celeste sufocou o Criciúma no Mineirão, criando várias chances de gol e abrindo 2 a 0 no placar. A Raposa deu um susto na torcida e tomou a virada, mas no segundo tempo se recuperou e conseguiu nova reviravolta, vencendo por 5 a 3.

O gol de abertura do placar foi anotado por Everton Ribeiro, na sequência, Dagoberto ampliou para o Cruzeiro, mas o time de Argel Fucks reagiu e virou o marcador com gols de João Victor, Lins e Ricardinho. Na etapa final, a Raposa teve forças para marcar mais dois gols com o artilheiro Borges e um com Dagoberto, em cobrança de pênalti, levando o Cruzeiro aos 65 pontos na ponta isolada do Brasileiro.

Na sequência do Campeonato Brasileiro, o líder Cruzeiro terá mais uma semana livre até o jogo contra o Santos, marcado para o dia 3 de novembro, na Vila Belmiro. Já o Criciúma fará um confronto direto na luta contra o rebaixamento, encarando a Ponte Preta, no Heriberto Hulse.

O jogo – Jogando em casa, o Cruzeiro logo tomou a iniciativa da partida contra um Criciúma acuado, jogando por uma bola para tentar chegar ao gol celeste, e a primeira chance real de gol saiu dessa forma em favor dos catarinenses. O goleiro Galatto deu chutão para frente e Lins ganhou da zaga cruzeirense, mas na hora do chute, errou o alvo, mandando sobre o travessão de Fábio.

Após este lance, o Cruzeiro voltou a ser o senhor da partida, agredindo o Tigre com intensidade cada vez maior. Sem conseguir manter a posse de bola, os visitantes se limitaram a defender, mas a blitz da Raposa conseguiu furar o bloqueio catarinense aos 12, com o meia-atacante Everton Ribeiro, que aproveitou rebote da zaga e fuzilou Galatto para explodir a torcida celeste nas cadeiras do Mineirão.

O gol não fez a Raposa diminuir o ritmo alucinante, e a pressão seguiu nos minutos seguintes, com Borges carimbando trave e Lucas Silva arriscando arremate da entrada da área, obrigando Galatto a se esticar todo para fazer excelente defesa evitando a dilatação do placar. Aos 18, não teve jeito, Everton Ribeiro deu assistência de cinema para Dagoberto, que mandou um petardo contra o gol do Criciúma estufando as redes do Gigante da Pampulha.

Com enorme facilidade, o Cruzeiro passeou em campo, dando um verdadeiro show nos visitantes, que se esforçaram para tentar algumas jogadas, mas a qualidade técnica superior dos mineiros ficou bem evidente. As chances para consolidar uma goleada no primeiro tempo se alternaram todo o tempo, com a defesa do Criciúma sem saber o que fazer para aliviar o perigo, mas aí a história da partida começou a mudar com um apagão geral da Raposa.

Dominando inteiramente as ações, o time de Marcelo Oliveira só diminuiu o ritmo após os 30 minutos, relaxamento que alguns minutos depois custou muito caro para o Cruzeiro. Aos 33, o Criciúma conseguiu uma falta na entrada da área, João Victor cobrou com categoria, no ângulo de Fábio, animando um pouco a torcida do Tigre com um belo gol.

O Cruzeiro sentiu o tento dos catarinenses, que cresceram no jogo, e de forma surpreendente criaram boas jogadas para empatar o jogo, até que aos 41, Lins aproveitou bobeada da defesa celeste e deixou tudo igual no marcador, silenciando a torcida no Mineirão. O que parecia impossível aconteceu aos 46, com Ricardinho, que completou cruzamento da direita e virou o placar.

Na volta para a etapa final, o lateral Sueliton recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso, o que resultou em nova pressão do Cruzeiro atrás do empate. Mesmo aparentando nervosismo, a igualdade não demorou, e veio aos 12, com Borges, que mostrou oportunismo dentro da área para deixar tudo igual no marcador.

Com um jogador a mais em campo, o Cruzeiro foi aos poucos se aproximando da virada, mas o técnico Argel Fucks conseguiu posicionar bem a equipe visitante, criando algumas chances importantes nos contra-ataques. O clima que no inicio da partida aparentava ser de festa no Mineirão, se transformou em apreensão da torcida, que viu o jogo ficar complicado para os donos da casa.

O sorriso no semblante dos jogadores do Cruzeiro só voltou aparecer aos 30, quando a estrela de Borges voltou a brilhar, desviando cruzamento de Elber e recolocando os mineiros à frente no marcador. Aos 39, Dagoberto sofreu pênalti, que ele mesmo bateu e garantiu a vitória 5 a 3. Sem forças para reagir, o Criciúma teve que amargar mais uma derrota, mas ao menos mostrou que pode se livrar das últimas posições no Brasileiro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade