Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

"Ficaria sem emprego", diz Luis Fabiano, sobre seca de Osvaldo

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O último gol de Osvaldo pelo São Paulo foi em 28 de fevereiro, há mais de sete meses, portanto. Um longo período de improdutividade que foi alvo de brincadeira de Luis Fabiano, nesta terça-feira. O camisa 9 disse que, se esse jejum fosse seu, já não estaria mais no clube.

"Não, não (vivi esse jejum na minha carreira)", disse, ao interromper a pergunta sobre seu companheiro de ataque. "Sete meses, eu fico desempregado", completou, rindo.

Questionado se vem tentando ajudar Osvaldo, Luis Fabiano foi menos indelicado. Mas defendeu a tese de que, em situações como essa, o ideal é falar o mínimo possível. "Procuro não tocar muito no assunto, porque, quanto mais se fala, pior. A ansiedade fica maior. Mas vejo o Osvaldo mais tranquilo em relação aos jogos passados. Ele vive um momento difícil, mas eu o vejo mais confiante. Pode acontecer com qualquer atacante e incomoda muito. Mas tem que esquecer um pouco, deixá-lo jogar, que uma hora ele faz o gol, as coisas mudam", falou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Seca tem sido de todo o ataque: Aloísio também não vem balançando a rede com tanta frequência
"Se o time estivesse em fase melhor, seria mais fácil, porque tudo dá certo. Infelizmente, em momentos difíceis, tem jogador que acompanha a má fase do time. Mas acredito muito no potencial do Osvaldo. Ele foi até para a Seleção neste ano. Uma hora, a fase vai mudar, como a fase do time também. Ele vai fazer gol e vai esquecer esses sete meses de jejum", continuou.

Não é só a fase de Osvaldo que preocupa os são-paulinos. O ataque como um todo tem balançado pouco a rede, em especial no Campeonato Brasileiro. O São Paulo tem o terceiro pior ataque da competição, com 21 gols marcados, mais apenas do que o Corinthians e o lanterna Náutico.

"Também gostaria de ter a resposta, o porquê. A gente não vive um grande momento como um todo, o ataque também. No domingo, infelizmente, o goleiro do Grêmio fez uma grande partida. Está certo que faltou um pouco de capricho na finalização, mas é momento. Tudo influencia. A maré é negativa. Às vezes, em outro momento, você fica mais confiante para fazer o gol", disse.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade