Futebol/Campeonato Italiano - ( - Atualizado )

Galliani se irrita com punição ao Milan: “Furioso é pouco”

Milão (Itália)

A punição imposta pela Federação Italiana de Futebol ao Milan, na última segunda-feira, que decretou que o time rossonero terá de jogar com portões fechados contra a Udinese, na próxima rodada do Calcio, além de ter que pagar uma multa de 50 mil euros (cerca de R$ 150 mil), não deixou o vice-presidente e diretor executivo do clube, Adriano Gallaini, nada feliz. Em entrevista à agência de notícias Reuers, o dirigente mostrou todo o seu descontentamento com o ocorrido.

“Dizer que estou furioso seria descrever de modo suave. Eu entendo que o racismo é um grande problema, um problema em qualquer lugar do mundo, mas aqui na Itália nós inventamos a discriminação regional para nós mesmos”, afirmou Galliani.

A punição foi imposta, pois federação entendeu que a torcida do Milan cantou músicas que poderiam ser enquadradas como discriminação regional, durante a partida diante da Juventus, no último fim de semana, pelo Campeonato Italiano. Indignado com a punição, Galliani defendeu seus torcedores e disse que as músicas ofensivas saíram do lado adversário.

“Os cantos não foram sequer ouvidos. Nenhum jornal ou canal de televisão ouviu isso, provavelmente porque não houve nada disso. Eu estava na Arena Juventus e ouvi vários coros direcionados a Mario Balotelli”, disse o dirigente, antes de completar: “Eu liguei para o presidente (Giancarlo) Abete (da Federação Italiana de Futebol) para perguntar se acha essa decisão justa. O que pedi é que seja abolida”.

O Milan vem fazendo uma campanha irregular na competição nacional. Em sete partidas, soma apenas duas vitórias, dois empates e três derrotas, ocupando a melancólica 12ª posição. Na próxima rodada, dia 19 de outubro, o time rossonero encara a Udinese, oitava colocada, no San Siro. Como o clube foi punido, porém, a partida será disputada com portões fechados.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade