Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Mancini torce por chuva em Goiânia: “nosso time está acostumado”

Curitiba (PR)

Sonhando com a vice-liderança do Campeonato Brasileiro -- está um ponto atrás do Grêmio --, o Atlético-PR terá uma dura missão neste domingo às 16 horas (de Brasília). O Furacão visita o Goiás no Serra Dourada e torce por uma ajuda dos céus para vencer um grande aliado do Esmeraldino: o forte calor e o tempo seco que costumam atingir Goiânia.

“Felizmente a previsão é de chuva e tomara que chova mesmo. Nosso time está acostumado a jogar assim (risos)”, brincou Vágner Mancini, lembrando das partidas em que os rubro-negros sofreram com o gramado alagado no Durival de Britto. “No calor a gente iria sentir, seria um obstáculo a ser superado, mas não dá pra reclamar disso. Quando eles vêm ao Sul sofrem com frio”, ressaltou à TV CAP.

Outra preocupação do treinador do time curitibano é o tamanho do gramado do Serra Dourada. Prevendo jogo de velocidade dos donos da casa, Mancini avisa que seus comandados terão de trabalhar a bola com paciência e evitar o desgaste desnecessário gerado por lançamentos longos e jogadas individuais.

“Teremos que ter um time atuante e intenso, pois o campo de dimensões grandes favorecem. Dá pra ter posse de bola e precisa de muita virada de jogo para não desgastar. O torcedor sabe que nosso time vai para encarar o adversário onde quer que seja e essa postura deve ser mantida para esta partida”, receitou.

E se os possíveis problemas provocados pelo gramado e pelo clima têm solução, Vágner Mancini trabalha para descobrir a melhor maneira de frear o Goiás. O time treinado por Enderson Moreira bateu a Portuguesa no Canindé, o Bahia no Serra Dourada e o Vasco da Gama em Macaé para chegar aos 43 pontos e à sexta colocação.

“O Goiás é uma equipe que melhorou muito nesses últimos jogos, alcançou a terceira vitória consecutiva, então é um adversário que dá muito trabalho. Temos que estar atentos. É um time muito técnico, com peças que decidem partidas e vivem um bom momento, como o Walter. Ele, além de fazer gols, ainda arma as jogadas para os companheiros”, analisou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade