Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Maradona 'quer' ser papa e diz ter vencido drogas há quase 10 anos

Buenos Aires (Argentina)

Nesta quarta-feira, em entrevista cedida na redação do jornal italiano La Gazzeta dello Sport, o expoente máximo do futebol na Argentina, Diego Armando Maradona, afirmou estar há quase dez anos sem usar drogas. Além da revelação, o eterno camisa 10 relembrou os tempos de dor que causou à sua família e amigos, onde fez questão de lembrar o nome de Cláudia Villafañe, sua ex-esposa. O período restante para que o ex-técnico da seleção argentina complete uma década longe das substâncias proibidas é de quatro meses.

Sobre os anos de tormenta, o craque admitiu: “Fiz com que minha família chorasse. Fiz mal a muitas pessoas”. Além do mais, fez um apelo para que os jovens não caiam neste vício: “É uma dependência muito feia”.

No final da entrevista, bem-humorado, Maradona declarou que gostaria de ser papa, e comicamente, fez questão de ressaltar que se referia unicamente ao cargo de sumo pontífice, e não ao posto de pai, pronunciado na língua espanhola como “papá”. Além do mais, alfinetou as lideranças da Fifa, a quem julgou ultrapassadas: “os diretores da Fifa todos possuem mais de 95 anos. Como é que dá pra dirigir uma organização assim se não podem dirigir nem um carro?”.

Após encerrar a carreira, os incidentes de Maradona com as drogas se intensificaram no ano de 2000, durante suas férias em Punta del Este, Uruguai. Após o ocorrido, foi convidado por Fidel Castro a realizar um tratamento de reabilitação em Cuba. Entretanto, mesmo após a estada em solo insular, o astro, apresentando alto grau de obesidade, voltou a consumir cocaína. No ano de 2004, em Buenos Aires, voltou a ter uma overdose, que o deixou em estado de coma. Dias depois de ser internado na clínica Suíço-Argentina, o craque fugiu para a chácara de um amigo empresário, onde voltou a utilizar substâncias ilícitas. Cinco dias após escape, lá estava o ex-jogador novamente na clínica, pesando incríveis 120 quilos e com extremas dificuldades na respiração e na fala.

Após realizar uma cirurgia de redução de estômago em solo colombiano, Maradona buscou inovar também em seu visual. De cabelo aparado e cinquenta quilos mais magro, comandou o programa de TV “A Noite do Dez”, que bateu recordes de audiência em seu país natal. Muito por causa  do encontro do astro com diversas personalidades americanas, como o pugilista Mike Tyson, a apresentadora Xuxa e o ex-jogador Pelé.

Sem ter seu contrato renovado com o Canal 13, Maradona voltou a entrar em depressão. Em 2007, o astro aprontou poucas e boas: brigou com a Polícia Federal no Rio de Janeiro, agrediu uma ex-miss na ilha paradisíaca de Bora Bora, colidiu seu veículo contra uma cabine telefônica, ferindo um casal de jovens que passava nas proximidades do logradouro e foi novamente internado, desta vez pelo consumo exagerado de champagne.

De 2008 em diante, o ex-jogador se empenhou na função de técnico, que já tinha começado, sem sucesso, em 1994, quando comandou o desconhecido Textil Mandiyú (ARG). Retomando tal empreitada, Maradona ficou entre 2008 e 2010 no comando da seleção argentina, onde acumula uma passagem pela Copa do Mundo da África do Sul. Após seu desligamento, comandou o Al Wasl, dos Emirados Árabes Unidos.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade