Futebol/Bastidores - ( )

Morte precedeu jogo do Papão que teve tentativa de incêndio

Belém (PA)

A revolta da torcida do Paysandu nesta sexta-feira durante o confronto com o Avaí por pouco não terminou em tragédia na Curuzu. Segundo informações da rádio CBN de Belém, torcedores do clube paraense danificaram carros de jogadores e dirigentes e teriam tentado provocar um incêndio no estádio ao cortar cabos.

Horas antes do confronto, um homem foi encontrado morto com um tiro na cabeça. As primeiras informações davam conta de que seria uma vítima de uma brigada emboscada de torcedores do Remo para os bicolores. Mais tarde, a Polícia Militar abriu a possibilidade de ser um caso de vingança. Um suspeito fugiu, enquanto um menor de 17 anos foi preso, de acordo com informações do Diário do Pará.

O jogo válido pela 31ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro foi paralisado quando restavam pouco mais de dez minutos para o apito final e os catarinenses venciam por 2 a 0. O árbitro Grazianni Maciel Rocha chegou a tentar reiniciar o confronto, mas vândalos seguiram atirando pedras e laranjas no gramado, ameaçando a segurança dos atletas.

O policiamento precisou agir imediatamente, primeiro cercando o campo de jogo, depois atirando gás de pimenta no alambrado e, por fim, perseguindo e detendo os mais agressivos. A situação, porém poderia ter saído do controle, já que alguns arruaceiros teriam tentado cortar fios elétricos na tentativa de iniciar um incêndio.

“A situação está sob controle agora. Foi especulado que os torcedores estavam se dirigindo à nossa sede e por isso estamos tomando precauções”, explicou o diretor de segurança do Paysandu, Carlos Silva, em entrevista à rádio da capital do Pará. Com o jogo encerrado, o Papão permaneceu com 29 pontos e pode terminar a rodada em penúltimo caso o São Caetano vença o Icasa no ABC.

E temendo ainda mais violência pela proximidade do rebaixamento, o vice-presidente do clube, Sergio Serra, pede que o local do duelo com ABC, atrasado da 29ª rodada, seja realizado no principal estádio de Belém. "O que nós vimos aqui foi um problema de segurança pública. O bom senso recomenda que a partida seja realizada no Mangueirão”, receitou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade