Futebol/Copa Sul-americana - ( )

No São Paulo ou não, Luis Fabiano quer jogar mais em 2014

Tossiro Neto São Paulo (SP)

A partida desta quarta-feira, contra o Atlético Nacional (Colômbia), será a centésima de Luis Fabiano desde seu retorno ao São Paulo. Um número que seria expressivo se o atacante não tivesse voltado ao clube no meio de 2011. Ele próprio admite que, principalmente por lesões, se ausentou de muitas partidas e espera que isso seja diferente a partir da próxima temporada.

"Gostaria muito de jogar pelo menos 80% dos jogos do ano. Sei que é difícil, porque são muitos jogos, mas gostaria muito que isso acontecesse. Esperava, sim, bater marcas bem antes, porque não esperava ficar tanto tempo machucado como eu fiquei quando cheguei", diz o jogador, lembrando-se da cirurgia realizada para corrigir lesão em um tendão próximo ao joelho direito, a qual o deixou seis meses parado, há dois anos.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Centroavante tem meta já definida na cabeça
Mas não foi apenas no primeiro ano da atual passagem que ele visitou o departamento médico. Em 2012 e 2013, sofreu diversas outras lesões. A última delas, uma contratura na coxa esquerda, acaba de o deixar fora de seis jogos. Só nesta temporada, ele foi baixa 29 vezes - o número inclui suspensões e uma convocação para a Seleção Brasileira, mas foi alcançado principalmente por razões físicas.

Sincero, Luis Fabiano admitiu que, aos 32 anos, não tem mais condições de disputar uma longa série de partidas. "São muitas, preciso de um trabalho diferenciado, de reforço na perna. Perdi um músculo da minha perna. É dificil estar jogando sempre. Tem que ter trabalho específico para fortalecer. Como a gente vivia uma fase difícil, eu meio que atropelei isso, tinha que jogar e recuperar, jogar e recuperar. Para mim, é complicado isso", explicou.

O "músculo perdido", na realidade, foi a ponta de um tendão que, por má "adaptação" na recuperação da lesão, precisou ser retirada. "Depois da operação, isso desgasta muito. Às vezes, eu forço mais uma perna do que a outra, e corro risco (maior) de me machucar. Com o trabalho que fiz agora que fiquei fora, acho que vou ter condição de jogar bem até o fim do ano", acrescentou.

Restam sete rodadas no Campeonato Brasileiro e ao menos dois confrontos da Copa Sul-americana. Apesar de poder se redimir com a torcida já em 2013, ele começa a projetar a próxima temporada, na qual demonstra não ter certeza de onde estará.

"Se eu estiver aqui, ou onde eu estiver, vou ter que fazer trabalho específico. Quero cumprir meu contrato, mas, no futebol, a gente nunca sabe o que pode acontecer. Não sabemos nem se o Muricy vai renovar ou não. Depois que cumprir, tenho oportunidade de ficar livre. Mas sair nunca foi meu pensamento, porque se eu quisesse sair mesmo, mesmo, eu poderia ter saído. Estive muito perto disso neste meio de ano", falou o autor de 21 gols em 43 jogos de janeiro até aqui.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade