Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

Renan volta ao gol do Botafogo contra o Náutico

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

O técnico Oswaldo de Oliveira, em recuperação de uma arritmia cardíaca, não viajará para Recife para comandar o Botafogo na partida desta quarta-feira, diante do Náutico, na Arena Pernambuco. E os integrantes da comissão técnica que vão comandar a equipe de General Severiano, na ausência do treinador, devem enfrentar alguns problemas para escalar a equipe que tentará a reabilitação no Campeonato Brasileiro.

O goleiro Jefferson viajou para disputar dois amistosos com a Seleção Brasileira, enquanto o meia Lodeiro vai servir à seleção uruguaia nas Eliminatórias sul-americanas.

Como acontece habitualmente desde que Jefferson passou a ser convocado por Scolari, Renan será o ocupante do gol alvinegro. Para o lugar de Lodeiro, a tendência é a entrada de Hyuri, desde que o atacante, em recuperação de uma lesão muscular, seja liberado pelo departamento médico. O zagueiro Bolívar também tem retorno garantido, depois de cumprir suspensão, por cartão amarelo, na derrota diante do Grêmio, saindo Dankler.

Outra possibilidade de mudança é a volta do atacante Elias. O ex-jogador do Resende está treinando normalmente desde a semana passada, mas ainda não havia sido liberado para voltar ao time. Como o ataque alvinegro tem produzido muito pouco, Elias pode entrar para formar dupla com Rafael Marques, saindo Henrique, que não teve uma boa atuação diante do Tricolor gaúcho e continua sem marcar, em jogos oficiais com a camisa alvinegra. Se Elias seguir vetado, Bruno Mendes que voltou ao time, depois de longa inatividade causada por contusão, tem alguma chance de começar jogando.

No clube, existe uma corrente favorável a se dar um descanso para Seedorf que está desgastado fisicamente, e com o prestígio em baixa junto à torcida botafoguense.

Pela primeira vez desde que chegou ao clube, Seedorf foi vaiado de forma ostensiva, durante a partida diante do Grêmio e se confessou surpreso com a reação da torcida. O holandês disse que não está acostumado a ser vaiado, mas disse que esse comportamento hostil cria mais problemas para o time do que para ele.

Oswaldo de Oliveira chegou a pensar em poupar o holandês, em algumas partidas, mas os maus resultados acumulados pela equipe nas últimas rodadas impediram o treinador de promover essa mudança.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade