Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Reserva de Paulinho vira peça-chave em tentativa de reação alvinegra

Marcos Guedes São Paulo (SP)

Tite vibrou quando ouviu uma pergunta que comparava o desempenho do Corinthians com e sem Guilherme. Cansado de ouvir os baixos números de seu ataque, o treinador gostou de escutar que o aproveitamento da equipe na presença do volante é de cerca de 66%.

“Gosto de abordagens inteligentes perguntas inteligentes. Dá para pegar bastantes dados significativos. É um jogador que vinha trabalhando, dentro da engrenagem. Vinha sendo preparado fazia um ano, diferentemente do Ibson e de um outro jogador”, afirmou o técnico, omitindo o nome de Maldonado.

O antigo reserva de Paulinho se tornou uma peça-chave no esquema alvinegro. Se não chegou a engrenar desde seu retorno, o Corinthians parou de perder, somando uma vitória e dois empates – sem levar nenhum gol contra Bahia, Atlético-MG e Atlético-PR.

Guilherme passou quase dois meses afastado por causa de uma rara leão na coxa esquerda, o descolamento do tendão adutor do osso. Na sua ausência, o time do Parque São Jorge viu a distância para o líder na tabela saltar de três para inalcançáveis 22 pontos.

Divulgação/Agência Corinthians
Cansado, Guilherme apenas correu com outros titulares na sexta-feira (foto: Daniel Augusto Jr.)
Melhor marcador do que o defensivo Maldonado e melhor passador do que o ofensivo Ibson, o camisa 19 fez a equipe crescer dos dois lados do campo. O problema é que ainda faltam peças das quais Tite sente falta, com as ausências frequentes de Alexandre Pato e Guerrero e constantes de Renato Augusto.

Guilherme, ao menos, está à disposição, ainda que um pouco cansado. “Ele sentiu o terceiro jogo seguido após esse tempo parado, mas o tempo é maior de quarta para domingo do que de domingo para quarta, ele vai se recuperar bem para o clássico”, apostou o técnico alvinegro.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade