Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

Tite vê disputa de 180 minutos equilibrada e pede análise criteriosa

Porto Alegre (RS)

Tite saiu do vestiário da Arena do Grêmio sabendo que ouviria, além de perguntas sobre a batida de pênalti ruim de Alexandre Pato, cobranças por mais um jogo sem gol do Corinthians. Ele se defendeu apontando que o Grêmio também não marcou nos 180 minutos do confronto, que só pendeu para o lado tricolor nos tiros da marca penal.

“Foram dois jogos equilibrados, com poucas oportunidades, e tudo acabou sendo decidido nas penalidades. O time não criou muito aqui, assim como o Grêmio não criou. No Pacaembu, o Grêmio não criou nenhuma oportunidade. Foram jogos equilibrados, nos quais as equipes se neutralizaram. Lá e aqui”, afirmou.

A equipe alvinegra marcou apenas um gol nas últimas seis partidas que disputou. No Brasileiro, são 23 gols em 30 rodadas. Na Copa do Brasil, foram duas bolas na rede em quatro jogos. Mesmo assim, imagina Tite, tudo seria perdoado em caso de triunfo nos pênaltis em Porto Alegre.

Divulgação/Agência Corinthians
Romarinho tenta jogada de ataque em um dos 180 minutos sem gol do confronto (foto: Daniel Augusto Jr.)
“Se a gente tivesse passado, mesmo nos pênaltis, a ótica na análise seria outra: ‘Pô, enfrentou o Grêmio aqui, teve consistência, o Walter fez um grande jogo’. A análise tem que ser do conjunto, e nenhuma das equipes foi superior à outra nos 180 minutos”, acrescentou.

Mas Pato errou, o Corinthians caiu, e aumentou a pressão em cima de Tite, que esteve perto de ser demitido na semana passada. Eliminado da Copa do Brasil, o gaúcho preferiu não responder se sente confortável no momento. “Eu me sinto em paz comigo mesmo. Paz comigo mesmo.”

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade