Futebol - ( - Atualizado )

Violência da torcida encerra jogo e Paysandu cai para o Avaí

Belém (PA)

Com cenas de barbárie, o Avaí saiu do gramado da Curuzu vitorioso na noite desta sexta-feira pela 31ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro. A partida foi interrompida por duas vezes na reta final do segundo tempo, até que o árbitro Grazianni Maciel Rocha e o chefe do policiamento decidiram por encerrar o jogo com vitória catarinense por 2 a 0.

Os gols foram marcados por Betinho e Cleber Santana na etapa complementar, gerando a revolta dos torcedores paraenses. Com o time próximo de ser rebaixado, a torcida passou a atirar pedras, laranjas e até uma bomba no gramado. Os policiais tiveram muito trabalho para conter os vândalos, utilizando gás de pimenta e detendo os mais revoltados.

Depois de quase 20 minutos de confusão, o confronto foi encerrado e o time azurra pôde comemorar discretamente a entrada provisória no G-4 com 50 pontos. Já o Bicolor permanece com 29 pontos e pode terminar o final de semana na penúltima colocação.

Na próxima rodada, a 32ª da competição nacional, o Avaí reencontra a torcida em Florianópolis para enfrentar o Bragantino. A partida na Ressacada está marcada para as 21h50 (de Brasília) de terça-feira. Já na sexta-feira e às 21 horas, o Paysandu visita o América-MG na Arena Independência, em Belo Horizonte.

Arte GE.Net
O jogo – Empurrado pela fanática torcida na Curuzu, o time bicolor iniciou o confronto pressionando os catarinenses no campo de defesa e logo aos 14 minutos criou uma grande chance de abrir o placar. O meia Eduardo Ramos pegou rebote na entrada da área, ajeitou para a perna direita e bateu por cobertura para ótima defesa de Diego.

O camisa 10 paraense se mostrava confiante na partida e dez minutos depois resolveu arriscar mais uma de longe. O chute saiu forte e rasteiro e Diego teve muito trabalho para fazer a defesa em dois tempos. O goleiro estava inspirado e aos 35 apareceu novamente para salvar o Leão em chute à queima roupa de Dennis.

Acuado pelos donos da casa, o Avaí só conseguiu sair do sufoco aos 43 minutos e precisou chutar de longe para incomodar Matheus pela primeira vez. O volante Anderson Uchoa dominou na intermediária após boa troca de passes pela direita e bateu de bico. A bola fez trajetória insinuante e assustou o goleiro do Papão.

Os mandantes repetiram a estratégia do primeiro tempo na etapa complementar e precisaram de dois minutos para levantar a torcida. De novo Eduardo Ramos chamou a responsabilidade e, após toque de Gilton, invadiu a área e soltou chute de canhota para acertar a trave direita de Diego, que já estava vendido.

A falta de sorte nas finalizações, porém, foi castigada após quatro minutos. Gilton vacilou feio no campo de defesa e foi desarmado por Cleber Santana. O meio campista tocou para Marquinhos, que cruzou de primeira e encontrou Betinho no meio da defesa. O centroavante entrou em velocidade e só teve o trabalho de escorar para abrir o marcador.

O gol desestabilizou o Paysandu em campo e a torcida passou a atirar pedras no gramado da Curuzu. Gilton foi substituído por Caio e foi muito hostilizado pelos torcedores. Dentro de campo, o volante Vanderson teve a chance de empatar depois de toque de Marcelo Nicácio, mas o chute saiu fraco e permitiu a recuperação de Diego.

Aos 27 minutos, os avaianos partiram em rápido contra-ataque e Matheus salvou finalização de Márcio Diogo. O atacante que havia entrado na vaga de Marquinhos, entretanto, ficou com a sobra e rolou para trás. Cleber Santana recebeu, invadiu a área com categoria e bateu com frieza para ampliar e revoltar ainda mais a torcida paraense.

O árbitro Grazianni Maciel Rocha teve de paralisar a partida quando os torcedores voltaram a arremessar objetos no banco de reservas do Papão. O duelo recomeçou com parte das arquibancadas já esvaziada. A bola rolou por poucos instantes até que o policiamento jogou gás de pimenta nos revoltados e o confronto teve de ser interrompido novamente.

Uma bomba chegou a ser atirada no gramado após a segunda paralisação e torcedores foram detidos por oficiais. Depois de quase 15 minutos, os jogadores do Paysandu decidiram descer para os vestiários temendo a violência da torcida. Os catarinenses se retiraram na sequência e a partida foi encerrada.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade