Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

COF do Palmeiras aprova busto de Oberdan Cattani por unanimidade

William Correia São Paulo (SP)

O único jogador vivo que atuou pelo extinto Palestra Itália ganhará um busto no reformado estádio do Palmeiras. Oberdan Cattani, goleiro do clube entre os anos 1940 e 1950, teve a homenagem aprovada por unanimidade em reunião do Conselho de Orientação e Fiscalização (COF) do clube na noite dessa segunda-feira.

“Ele merece, como poucos, por toda dedicação de uma vida à nossa instituição, seja como jogador, sócio do clube e conselheiro. Reconhecer um ídolo, além de se fazer justiça, é a obrigação de qualquer grande clube de futebol do mundo”, disse o presidente Paulo Nobre, que fez a solicitação formal do busto para o ex-jogador.

“O Oberdan Cattani foi um dos maiores goleiros não só do Palmeiras, mas do futebol brasileiro. Ele é o ultimo representante de uma geração histórica que vestiu e defendeu com muito amor a camisa do Palestra Itália e também da Sociedade Esportiva Palmeiras”, prosseguiu o mandatário.

Acervo/Gazeta Press
Goleiro chegou ao Palestra Itália em 41, atuou na Arrancada Heróica em 42 e deixou Palmeiras em 54
“Foi por unanimidade”, confirmou Mustafá Contursi, ex-presidente do clube e membro do COF, à Gazeta Esportiva.net. “Não havia hipótese de não ser por unanimidade. As justificativas são mais do que válidas. Com certeza, é o maior ídolo da história do Palmeiras ainda vivo, entre muitos que já foram”, continuou o conselheiro.

A diretoria, com o aval do COF, dá início aos trâmites para a presença do busto de Oberdan, com inauguração ainda a ser marcada. O reformado Palestra Itália tem sua reabertura marcada para maio do ano que vem, quando o Verdão celebra seu centenário, e terá também o busto de outro ex-goleiro, Marcos, que anunciou aposentadoria em janeiro do ano passado.

Último remanescente da Arrancada Heroica de 1942, jogo que marcou a mudança de nome de Palestra Itália para Palmeiras há 71 anos, Oberdan iniciou a tradição de os goleiros do clube jogarem de azul, forma encontrada para homenagear a Itália. De 1941 a 1954, foi tetracampeão paulista (1942, 1944, 1947 e 1950), ganhou o Rio-São Paulo-1951 e a Copa Rio-1951, considerada pelo clube um título mundial.

Atual conselheiro, Oberdan ainda fala com raiva de sua saída da agremiação e culpa o então presidente Paschoal Walter Byron Giuliano. Ele encerrou a carreira no Juventus e chegou a enfrentar o ex-time, o que acabou usado como justificativa para descartar o busto, mas não há nada a respeito no estatuto do clube.

Até agora, a maior homenagem feita a Oberdan tinham sido luvas de bronze aprovadas na gestão de Mustafá Contursi. “O busto é a segunda etapa de uma etapa maior, que foi a reprodução das mãos dele, muito mais emotiva porque tem a grande ferramenta dele, com um simbolismo inigualável. Se um dia conseguirmos voltar a ter um salão nobre de troféus, espero que aquela homenagem continue em um lugar de destaque, apesar do busto”, afirmou Contursi.

Oberdan e Marcos farão companhia a outros três bustos que já existiam no Palestra Itália: Junqueira, Waldemar Fiúme e Ademir da Guia.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade