Atletismo/Bastidores - ( - Atualizado )

Sem medalhas no Mundial, atletismo rejeita rótulo de 'patinho feio'

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

O Brasil voltou sem medalhas da última edição do Mundial de Atletismo, realizada em Moscou no mês de agosto. Embora outras modalidades tenham subido ao pódio em seus respectivos Mundiais, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) rejeita o rótulo de 'patinho feio'.

Ao longo desta temporada, a primeira do ciclo dos Jogos Olímpicos-2016, o Brasil ganhou medalhas nos Mundiais de modalidades como judô, natação, vela e ginástica. O País subiu ao pódio até mesmo em esportes com menor tradição, a exemplo da canoagem e do taekwondo.

No atletismo, modalidade que consagrou nomes como Joaquim Barbosa, Maurren Maggi e Adhemar Ferreira da Silva, o cenário é diferente. Depois de passar em branco nos Jogos Olímpicos de Londres-2012, o esporte também voltou sem medalhas do Mundial de Moscou.

“Essa fase que o atletismo está passando é ruim, porque não estamos aparecendo tanto. Por outro lado, fez a modalidade repensar, fez os profissionais e a confederação sentarem para repensar o programa. Vamos mudar. O atletismo não tem que se sentir como patinho feio”, disse Antônio Carlos Gomes, superintendente de alto rendimento da CBAt.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Antônio Carlos Gomes, superintendente de alto rendimento da Confederação, rejeita o rótulo de patinho feio
Uma das primeiras medidas da gestão de José Antônio Martins Fernandes, mais conhecido como Toninho, sucessor de Roberto Gesta de Melo na presidência da CBAt a partir de 2013, foi a elaboração de um plano emergencial voltado aos Jogos Olímpicos-2016.

No último final de semana, a CBAt promoveu o “Fórum Técnico de Alto Rendimento”. Durante o evento, realizado em São Paulo, os principais treinadores do atletismo brasileiro tiveram a oportunidade de sugerir mudanças na estrutura da modalidade.

“A comunidade reclamava que os programas vinham da CBAt para ela. Agora, foi ela que decidiu o caminho. Eu entendo que os treinadores estão em melhores condições para definir um programa para o atletismo, porque estão trabalhando no campo. Agora, é uma questão de tempo para o projeto funcionar”, disse Gomes, otimista.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade