Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Alessandro anuncia que encerrará a carreira no final deste ano

Vítor Dalseno, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

Escolhido para conceder entrevista coletiva após o treino do Corinthians na tarde desta quinta-feira, o lateral direito Alessandro, de 34 anos, anunciou que os dois jogos que faltam até o fim do Campeonato Brasileiro serão seus últimos como jogador profissional. Cogitado para ocupar algum cargo na diretoria corintiana, o jogador disse que ainda não conversou sobre isso com a diretoria.

“De uma certa forma, esse jogo no Pacaembu (contra o Internacional, neste sábado, às 21 horas) será uma despedida minha do torcedor. Estou encerando minha carreira como atleta profissional. Não sei exatamente o que vai acontecer depois do dia 8 de dezembro. Eu tenho conversado com a diretoria. Gostaria muito de continuar, para poder contribuir por tudo o que o Corinthians e o torcedor me proporcionaram nestes seis anos”, disse Alessandro.

Alessandro chegou ao Corinthians em 2008, ano em que o time disputou a Série B do Campeonato Brasileiro. Pelo Timão, o camisa 2 disputou 256 partidas e conquistou oito títulos: além da Série B, dois Campeonatos Paulistas (em 2009 e em 2013), uma Copa do Brasil (em 2009), um Campeonato Brasileiro (em 2011), uma Libertadores (em 2012), um Mundial de Clubes (em 2012) e uma Recopa Sul-americana (em 2013).

“A chegada foi muito conturbada. Chegar a um clube que acabou de cair para a Série B. Eu me lembro de cada treinamento no Parque São Jorge. Foi um ano muito difícil. Depois vieram títulos, jogos infelizmente de muito baixo nível - contra o Tolima , por exemplo. Alguns acidentes, no caso de Oruro, que marcou demais. Os pontos negativos foram os momentos de maior cobrança, que, graças a Deus, foram poucos. Ganhar um Paulista, depois uma Copa do Brasil, um Brasileiro, chegar à Libertadores, ir para o Mundial e conquistá-lo... Eu acho que cada título foi mais importante que o anterior, e isso marcou demais”, declarou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Alessandro declarou que passou a se preocupar mais com a parte física e a alimentação depois dos 30 anos
“Não está sendo fácil. Colocar um ponto final aos 35 anos de idade, tendo toda uma vida pela frente. Escutei muito o Tite, que foi um cara que me ajudou demais. Ele, o Fábio, o Edu, o Duílio, para que eu pudesse tomar essa decisão”, afirmou.

O lateral também agradeceu o Flamengo, clube que o revelou, e disse sentir orgulho por encerrar a carreira apresentando condições físicas para atuar durante os 90 minutos de uma partida.

“Estou há quase seis anos aqui, mas parecem 20 ou 30. Me sinto privilegiado por encerrar a carreira num grande clube, depois de tantas conquistas. É muito triste para um atleta terminar a carreira de forma decadente, em clubes menores”, disse.

Capitão do Corinthians nas principais conquistas dos últimos tempos - a Libertadores e o Mundial de Clubes, no ano passado -, Alessandro disse que a decisão foi muito bem estudada.

“Eu vinha pensando já desde o início do ano. É o meu último contrato profissional, e eu não renovaria esse contrato depois da conquista do Paulista, que é um momento de euforia. Qualquer atleta reivindicaria um novo contrato. Muita copisa eu pensei, muita coisa eu analisei, muita coisa eu conversei. Mas não vai ser fácil (parar de jogar)”, afirmou.

Declarando-se pouco emotivo, o jogador disse que não a decisão de encerrar a carreira não o fez chorar, mas admitiu que a presença da filha e o Pacaembu lotado no próximo sábado podem mexer “um pouco” com sua emoção.

“As pessoas me cobram muito isso: a família, as pessoas mais próximas. Eu não consigo me emocionar a ponto de escorrer uma lágrima. É uma coisa minha, eu sou muito fechado para algumas coisas. Se for para sofrer, eu me isolo. Mas não vou dizer que não choro sozinho, senão é sacanagem”, completou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade