Futebol/Bastidores - ( )

Com futuro incerto, Kleina descarta ouvir outros clubes em 2013

Bruno Oliveira, especial para a GE.NET São Paulo (SP)

Vinculado ao Palmeiras até 31 de dezembro deste ano, o treinador Gilson Kleina ainda não iniciou conversas para obter renovação contratual e tem futuro incerto para próxima temporada. Apesar de não ter clube garantido para 2014, o técnico descartou possibilidade de ouvir propostas de outras equipes enquanto estiver no comando do time alviverde. O Santos, em busca de substituto de Claudinei Oliveira, foi cogitado como um dos possíveis interessados.

“Não chegou nenhuma oferta, apenas ouvi algumas especulações. Conversei com minha assessoria e deixei claro que o entendimento inicial deve ser com Palmeiras. Sou profissional e tenho que saber aguardar. Se no futuro eu não tiver sequência aqui, também não ficarei ocioso e continuarei me aperfeiçoando”, afirmou o técnico nesta sexta-feira, em entrevista concedida no Centro de Treinamento da Barra Funda.

Contratado ainda na gestão de Arnaldo Tirone, em setembro de 2012, o treinador recebe salário mensal de aproximadamente R$ 300 mil, sendo este valor considerado alto pelo atual presidente do clube alviverde, Paulo Nobre. Entretanto, nesta sexta-feira, o técnico afirmou que o aspecto financeiro não seria empecilho para estender seu atual vínculo.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Sem problemas para manter valores do contrato, Kleina lembrou de "outros fatores" para renovar

Desde que rumores sobre possível saída de Gilson Kleina do Palmeiras começaram, nomes de treinadores conhecidos no cenário nacional, como Vanderlei Luxemburgo, Abel Braga, Cuca e Oswaldo de Oliveira, foram colocados como alvo de interesse do clube alviverde. No entanto, membros importantes do elenco alviverde, como o meio-campista Jorge Valdivia e o zagueiro Henrique defenderam permanência do comandante.

“Em momento algum vou me colocar a disposição do mercado sendo que tenho vínculo com o Palmeiras. Não vou ter cabeça para isso. Se as coisas não acontecerem, faz parte do futebol. Se acabar o contrato aqui, tenho que saber que fiz meu melhor trabalho, ter a consciência tranquila”, completou o treinador, que ainda enalteceu o período em que está no comando da equipe alviverde.

“O amadurecimento que tivemos foi muito grande. Ficar 15 meses dirigindo o Palmeiras é uma coisa para poucos, que só é possível com profissionalismo e dedicação. Chegamos aqui com uma preparação muito forte. Sem sombra de dúvidas atingimos um patamar em que queremos permanecer. Esse aprendizado ninguém mais tira de mim. O mais importante é que sempre tive equilíbrio”, encerrou Gilson Kleina.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade