Futebol/Reportagens - ( )

Há 80 anos, 8 a 0 do Palestra sobre Corinthians derrubou presidente

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

Os efeitos da vitória por 8 a 0 do Palestra Itália sobre o Corinthians atestam a dimensão da partida disputada no dia 5 de novembro de 1933. Ainda que os clubes fossem jovens, a rivalidade já era acirrada, a ponto de a maior goleada da história do clássico ter provocado a renúncia de Alfredo Schurig, então presidente alvinegro.

Romeu Pellicciari, um dos grandes ídolos palestrinos, comandou o triunfo de maneira impiedosa ao anotar metade dos gols do time da casa, enquanto Imparato contribuiu com três tentos e Gabardo anotou mais um. A derrota no Parque Antárctica é, até hoje, a maior da história corintiana.

“Uma grande tarde de Romeu”, estampou o suplemento esportivo do jornal A Gazeta em sua edição de 6 de novembro de 1933. “Toda a classe e superioridade do alviverde traduziram-se em tentos frente a um Corinthians frágil e tímido, o que constituiu uma contagem recorde para o clássico encontro”, noticiou o periódico.

De acordo com o jornal, o placar da partida disputada há 80 anos, pelo Campeonato Paulista, poderia ter sido ainda mais dilatado. “Todos foram a campo certos da victoria do Palestra, prevendo mesmo uma contagem grave. Contudo, a decepção corinthiana foi muito além. O quadro bancou a ovelha... E os oito tentos podiam ser mais... É esta a dolorosa verdade”.

Para a Gazeta, a “contagem esmagadora e, quiçá, humilhante” foi em parte resultado da postura dos próprios atletas do Corinthians. Os alvinegros, segundo o periódico, já entraram em situação emocional desfavorável e não souberam como reagir diante dos primeiros gols sofridos.

Reprodução
Romeu Pellicciari chuta para marcar o primeiro de seus quatro gols no triunfo do Palestra sobre o Corinthians
“Os jogadores, antes de tudo, sentem-se desmoralizados. Hontem, foram tímidos, parecendo que pisaram o gramado já batidos, antes mesmo de ter sido dada a sahyda”, noticiou a publicação. “A rapaziada, ante a fatalidade da derrota que se esboçou logo que a bola foi movimentada, submeteu-se resignadamente ao sacrifício”, relatou o jornal.

Apesar da goleada, o clássico, apitado por Haroldo Dias da Mota, transcorreu de maneira cavalheiresca. “Uma partida rica de disciplina”, precisou A Gazeta. Diante de um Corinthians apático, Romeu Pellicciari e seus companheiros causaram a maior derrota da história do adversário.

“A partida valeu apenas pela exhibição academica do Palestra, que jogou como quis, pondo a descoberto toda a bondade da classe de seus jogadores, que demonstraram que se encontram todos em boas condições physicas, muito apurados technicamente, e com um moral superior”, relatou o periódico.

Pellicciari, por sua vez, mereceu elogios especiais. “Defesa, médios e avantes jogaram numa mesma linha de valor. O maior destaque foi de Romeu, activíssimo em todo o transcorrer da partida, o cérebro da turma, um realizador excepcional”, opinou o jornal.

Reprodução
Gabardo, Pellicciari e Lara: artilheiro do clássico disputou a Copa do Mundo da França-1938 pela Seleção
Ao analisar individualmente a atuação de cada jogador, a publicação informa que o goleiro Onça poderia ter evitado apenas os dois últimos gols, absolvendo o guarda-metas alvinegro nos outros tentos. Para completar a tarde de sucesso do Palmeiras, o Segundo Quadro já havia vencido o rival por 4 a 0.

“Depois do jogo, os torcedores e jogadores se dirigiram à sede do clube. Os atletas foram agraciados com uma sopa, esse era o prêmio pela vitória. Dizem que, em uma extravagância, a diretoria serviu vinho a todos. No caminho, os palestrinos gritavam ‘oito, oito, oito’ no bonde”, diz Jota Christianini, diretor do Departamento de Acervo e Memória Histórica do Palmeiras.

Para os corintianos, o dia seguinte foi marcado por intensos protestos. Houve a distribuição de um “manifesto, com dizeres extremistas, concitando os associados a irem à noite na sede para depor a directoria”, o que levou o clube a chamar a polícia. Pressionado, Alfredo Schurig, nome oficial da Fazendinha, anunciou o “pedido de demissão colectiva” de sua chapa.

Foto: Divulgação
PARENTE DE HERÓI ATUA NA ARENA

O estádio do Palmeiras, palco da goleada por 8 a 0 sobre o Corinthians, atualmente está em obras. Coincidentemente, um parente de Romeu Pellicciari, herói do triunfo palestrino, trabalha na reforma.

O pai de Cláudio Pellicciari, gerente de obras da WTorre, construtora responsável pelo empreendimento, era primo de Romeu. Apesar do histórico familiar, o engenheiro não é torcedor do Palmeiras.

A reforma do antigo Palestra Itália vem causando atritos entre o clube e a WTorre. A discussão em torno do número de cadeiras que cada parte terá direito de explorar pode até atrasar a entrega do estádio.

“Com o seu mais infeliz fracasso technico numa partida de futebol, o Corinthians foi abalado pelo maior choque interno de toda a sua carreira. Jamais se registrou em clube nosso uma agitação tão intensa, a ponto de os descontentes tentarem assaltar e empastelar a sede social”, noticiou A Gazeta no dia 8 de novembro.

Antes de deixar o comando do clube de maneira oficial, os dirigentes, cobrados pela torcida, publicaram um longo comunicado no periódico com o seguinte título: “A directoria do Sport Club Corinthians Paulista aos seus sócios e ao público esportivo de S. Paulo”.

No comunicado, a diretoria relata seus feitos em diferentes áreas, a despeito da situação financeira delicada, e tenta justificar as decisões tomadas em relação ao time de futebol. O Conselho Deliberativo fez um apelo para que o grupo de Schurig permanecesse, sem sucesso.

“Deixando na data de hoje os destinos do Corinthians em outras mãos, formulamos os nossos mais ardentes votos para que consigam levar avante a tarefa gigantesca na sua administração. Recolhemo-nos hoje à tranquilidade dos nossos lares”, anunciaram os diretores, “tranquilos e de consciências satisfeitas”.

Alheio ao drama instalado no arquirrival, o Palestra Itália garantiu o título do Campeonato Paulista de 1933, o primeiro da Era Profissional, ao vencer o São Paulo por 1 a 0 no jogo seguinte. De quebra, ainda foi campeão do Torneio Rio-São Paulo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade