Futebol/Mercado - ( )

Kleina faz propaganda da inovação de Nobre: "Virá quem confia em si"

William Correia São Paulo (SP)

Gilson Kleina foi o primeiro a aceitar um contrato de produtividade, que Paulo Nobre promete usar como modelo na busca por reforços para o centenário do Palmeiras. Agora o técnico, ciente da necessidade de contratações, desafia os alvos do clube a acreditarem em si mesmos para concordar em receber salários menores do que em outros times, mas com prêmios bem superiores.

“Não sei sobre números, mas, quem confia no seu potencial, tem que vir. Ou confia no que faz ou não tem respaldo. Se tem potencial, confia em si mesmo e tem ambição, com certeza fará um grande contrato”, apontou o treinador. “É uma inovação. É necessário entender essa modernidade e trabalhar para atingir o que quer”, apontou.

O próprio Kleina precisou de tempo para concordar com o que foi proposto. A parte fixa de seu salário sofreu redução, mas, caso atinja todos os objetivos traçados para 2014, terá um acréscimo mensal em seus vencimentos de 50% em relação ao que ganhou para conquistar o acesso e o título da Série B do Brasileiro por antecipação neste ano.

Entre as principais exigências feitas pelo técnico para renovar, esteve a cobrança por um time forte, ciente da pressão de comandar o clube com mais títulos da história do futebol brasileiro exatamente no ano de seu centenário. Por isso, avisa que não são só os bônus que resultarão em empenho maior. “Não vamos viver só pensando nisso. Temos que trabalhar para o Palmeiras ser campeão, ganhar e ter grandes conquistas como é a sua tradição.”

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Treinador foi o primeiro a aceitar o modelo de contrato com salário menor e prêmios maiores no Verdão
É assim que Paulo Nobre também pensa. “A responsabilidade de reforçar não aumenta. A obrigação de quem conduzir o Palmeiras, independentemente do contrato, é reforçar o elenco para o Palmeiras não ser coadjuvante, mas brigar por todos os títulos que disputar”, discursou o presidente.

Com essa mentalidade, os jogadores que já estão no plantel, com modelos de contrato antigos, já tem a confiança do técnico. “Ao contrário deste ano, quando iniciamos o elenco praticamente do zero, agora contamos com uma base sólida e qualificada. Agora o que temos são carências e vamos pontuar para manter o nível dos jogadores que já estão aqui ou elevar, como é o nosso propósito”, projetou Kleina.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade