Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Luxemburgo mostra arrependimento por assumir o Flu: “Foi um erro”

Rio de Janeiro (RJ)

Demitido na tarde desta segunda-feira pela diretoria do Fluminense, Vanderlei Luxemburgo não demorou a criar polêmicas com relação ao seu ex-clube. Ao analisar o seu trabalho no clube carioca, pelo qual amargou nove resultados negativos nesta reta final, o treinador admitiu que errou ao assumir o Tricolor das Laranjeiras em má fase com o Campeonato Brasileiro em andamento.

“Pegar o Fluminense com o bonde andando foi um erro. O Celso de Barros sempre quis me contratar, chegou mais um amigo em comum, pediu para eu ficar até o final do ano, mas veio o presidente do clube, o Peter Siemsen, dizendo que não queria me contratar porque eu era rubro-negro. Nessa declaração, eu já não deveria ter ido. Depois, nós fizemos uma reunião, ele se explicou, disse que era torcedor, mas ficou essa declaração”, revelou Luxemburgo em entrevista ao canal Sportv.

Desta forma, o treinador revelou que sempre esteve pressionado no comando do Fluminense, justamente por causa dessas divergências com a cúpula tricolor. Apesar de ter deixado as Laranjeiras, Luxemburgo voltou a reiterar sua confiança na permanência do Tricolor na primeira divisão.

Ainda nesta segunda-feira, o Fluminense agiu rapidamente e confirmou a chegada de Dorival Júnior. Para Luxemburgo, a missão do treinador não é tão complicada, pois o jogo de estreia será contra o Náutico, lanterna do Campeonato Brasileiro, sob o apoio da torcida em um Maracanã certamente lotado.

“Agora, criou-se um ambiente diferente e ele vai assumir, com todo respeito, em um jogo contra o Náutico, com a torcida do seu lado. Então, o Fluminense tem tudo para ficar na primeira divisão”, ressaltou Luxemburgo, que também citou a determinação do elenco neste momento delicado na temporada.

Ressentido com a demissão na tarde desta segunda-feira, Vanderlei também questionou a postura das diretorias dos principais clubes brasileiros. Para o comandante, os principais treinadores do país não tiveram tempo para manter uma mesma filosofia de trabalho, o que demonstraria um despreparo dos cartolas.

“No ano passado, o Felipão foi mandado embora do Palmeiras. Esse ano foi o Luxemburgo, o Abel, o Paulo Autuori, o Muricy, o Mano, ou seja, todos os treinadores mais conceituados do Brasil. Está errado o técnico ou o conceito de futebol do Brasil? Só teve um dirigente que manteve um treinador e deu resultado: o Andrés. Onde parou? Foi campeão do mundo”, questionou Luxemburgo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade