Futebol/Copa Sul-americana - ( )

Mesmo com obrigação de fazer três gols, Muricy não joga toalha

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O surpreendente revés por 3 a 1 para a Ponte Preta, nesta quarta-feira, forçará o São Paulo a ter que vencer por três gols de diferença, fora de casa, para avançar à final da Copa Sul-americana. Apesar da difícil missão, Muricy Ramalho acredita ser possível eliminar a equipe de Campinas.

"É difícil, mas, no futebol, pode acontecer de tudo. A gente pode ir lá, acertar um jogo e fazer três gols. Como não? Tudo pode acontecer", disse, logo após a derrota de virada, no Morumbi.

A partida de volta, na próxima quarta-feira, não será no Moisés Lucarelli, mas no Romildo Ferreira, em Mogi Mirim. O estádio campineiro foi vetado pela Conmebol por não ter capacidade mínima para 20 mil espectadores, como exige o regulamento - que não vinha sendo cumprido nas fases anteriores, contudo foi posto em prática desta vez por solicitação são-paulina.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Treinador não vê o São Paulo eliminado do torneio
Desde que Muricy retornou ao clube, o São Paulo já fez três ou mais gols cinco vezes. Em apenas uma, porém, não sofreu gol e conseguiu resultado que lhe serviria agora. Mas foi no Morumbi, em 16 de outubro, quando fez 3 a 0 no Náutico, lanterna do Campeonato Brasileiro e já rebaixado para a segunda divisão nacional.

A competição nacional, a propósito, é uma inspiração para o time de Muricy, que chegou a ficar entre os quatro últimos da classificação por muito tempo, porém se salvou ao conseguir arrancada a partir da chegada do treinador.

"A situação também era muito difícil no Brasileiro, a gente estava quase lá (na Série B) mesmo, e esse time deu a volta. pode ser que agora surpreenda. Não pode jogar a toalha, não. Vamos lutar até o fim, com certeza", lembrou.

A diferença entre Náutico e Ponte não é grande. Ao contrário. O time do interior paulista está na penúltima posição do Brasileiro. Ocorre que, na Sul-americana, vem surpreendendo com grande campanha. Mais do que isso: poderá perder por dois gols de diferença para disputar uma final inédita em sua história. Afinal, no futebol, tudo pode acontecer.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade