Futebol/Campeonato Brasileiro - ( - Atualizado )

No dia do aniversário, Muricy volta a autorizar rachão no São Paulo

São Paulo (SP)

Muricy Ramalho completou 58 anos neste sábado, mas os presenteados foram os jogadores do São Paulo. Quase dois meses depois de ter abolido o rachão na véspera das partidas da equipe, o treinador liberou a prática, um dia antes do duelo com o Criciúma, pelo Campeonato Brasileiro.

O último rachão no CT da Barra Funda havia sido em 4 de outubro, antes do jogo contra o Vitória. Depois disso, nos 15 compromissos seguintes (dez pelo Brasileiro e cinco pela Copa Sul-americana), a comissão técnica optou por improvisar redes no gramado para disputas de futevôlei.

"É um treinamento com o qual nunca fui muito simpático. É cultura do futebol, mas que não resolve muita coisa. Eu já tive muita experiência nisso. Já perdi muitos jogadores por causa desse rachão. É um treinamento em que o jogador às vezes fica muito descontraído e se machuca", justificara.

Prática comum no futebol brasileiro, o rachão costuma divertir muito mais os jogadores, que, por outro lado, não gostam de perder. Neste sábado, quem saiu vitorioso foi o time comandado pelos meias Paulo Henrique Ganso e Jadson, que venceu com certa facilidade o grupo adversário, cujos líderes são o goleiro Rogério Ceni (autor de um belo gol), e o atacante Luis Fabiano.

Foi assim o encerramento da preparação do elenco, que não ousou em tentar qualquer tipo de brincadeira pelo aniversário de Muricy, quarto treinador que mais vezes dirigiu o São Paulo: 387 partidas (209 vitórias, 106 empates e 72 derrotas). Acima dele, apenas Telê Santana (411), Poy (422) e Vicente Feola (532).

Para o comandante, o maior motivo de felicidade foi ter evitado à queda para a Série B. "O presente mesmo foi tirar o São Paulo da zona do rebaixamento. Não é motivo de festa, mas é um alívio para recuperar a equipe no ano que vem", falou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade