Futebol/Bastidores - ( )

Para campeões de 2003, time atual não teve alguém decisivo como Alex

Vítor Dalseno e Yan Resende* Belo Horizonte (MG)

Antes mesmo de o Cruzeiro garantir o título do Campeonato Brasileiro de 2013, imprensa e torcedores celestes começaram as discussões para eleger o melhor time: a disputa ficou entre o atual e aquele que se sagrou campeão da Série A em 2003, na primeira edição da era dos pontos corridos. As comparações entre Éverton Ribeiro, destaque da equipe neste ano, e Alex, principal jogador do elenco comandado por Vanderlei Luxemburgo, encabeçaram o debate, mas, para os participantes da primeira conquista, o assunto não chega sequer a ser polêmico.

O ex-meia Zinho, campeão com o Cruzeiro em 2003, ressalta a importância de Éverton Ribeiro no título atual, porém acredita que o mais comentado jogador celeste nesta temporada não chegou a ser tão decisivo quanto Alex em 2003.

“Não o vejo tendo atuações como as do Alex. O Alex fazia 3 ou 4 gols em um jogo. O Éverton Ribeiro está fazendo um belíssimo campeonato, mas ele não desequilibra em todos os jogos. Vai muito bem na maioria dos jogos, mas mantém uma regularidade, não se sobressai a ponto de decidir sozinho um jogo”, declarou Zinho em entrevista à Gazeta Esportiva.net.

Na opinião do atual gerente de futebol do Santos, a principal característica do time comandado por Marcelo Oliveira é a força do conjunto. “Em 2013, o Cruzeiro tem um elenco muito coletivo. Você vê muitos jogadores se destacando na frente, como Ricardo Goulart, Borges e Willian. Eu destacaria também o Nilton, que ajuda muito na parte defensiva, mas também faz muitos gols decisivos. O próprio goleiro, Fábio, que é o líder e capitão do time”, disse Zinho.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Melhor jogador do Cruzeiro em 2003, o meia Alex comandou a equipe celeste na conquista da Tríplice Coroa
Outro responsável pela conquista da Tríplice Coroa em 2003 (além do Brasileirão, o Cruzeiro venceu a Copa do Brasil e o Campeonato Mineiro no mesmo ano), o goleiro Gomes corrobora a tese de Zinho, dizendo que o time de 2013 não tem alguém que se aproxime do meia Alex.

"A gente falava assim: vamos correr aqui, dar o máximo aqui atrás, porque, lá na frente, o Alex vai decidir. Fosse em uma falta ou em um escanteio, ele sempre decidia. Ele fazia a diferença. Com ou sem marcação, ele sempre fazia a diferença”, afirmou Gomes, atualmente no Tottenham-ING, em entrevista à GE.net.

Agora tricampeão brasileiro, o Cruzeiro espera se manter em uma posição de destaque no cenário nacional - o que não aconteceu depois dos títulos de 2003. Após conquistar a tríplice coroa, a Raposa venceu “apenas” o Estadual, em cinco oportunidades: 2004, 2006, 2008, 2009 e 2011.

“Tem todas as condições de se manter. Pelo clube que é, pela torcida e pela estrutura que tem. O título (brasileiro) traz mais patrocínios, mais credibilidade, atrai jogadores, que vão querer disputar competições importantes. Mas tem que se reforçar, porque quando é campeão, a cobrança aumenta”, completou Zinho.

*Em especial para a GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade