Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Perrella se oferece a Marin, ajuda a derrubar CPI da CBF e irrita senador

Brasília (DF)

A Confederação Brasileira de Futebol, nesta terça-feira, escapou de ser alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI). O senador Mário Couto (PSDB-PA) anunciou o requerimento no último dia 29, mas viu o ex-presidente do Cruzeiro e senador pelo PDT-MG, Zezé Perrella, organizar reação a favor da entidade e derrubar o pedido com a desistência de nove senadores.

Na última semana, Couto deu início aos planos de investigar a CBF por supostas irregularidades com federações estaduais e no processo de organização da Copa do Mundo de 2014. Sem as 27 assinaturas necessárias, no entanto, a CPI foi brecada antes mesmo de o texto ser lido na presença do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Mário Couto pediu que a lista de desistentes, que tinham até a meia noite desta terça para mudar opinião, fosse divulgada na sessão, mas Calheiros afirmou que os nomes não seriam divulgados. Zezé Perrella, então, pediu a palavra e fez questão de se apresentar como responsável pela reviravolta ao ter oferecido ajuda a José Maria Marin, mandatário da CBF. “Realmente trabalhei para que essa CPI não acontecesse e o senhor não pode dizer que não sou do bem. Eu sou”, afirmou.

Após as declarações, o principal incentivador da CPI relacionou o levante organizado por Perrella com o fato de o colega de Senado ter sido presidente do Cruzeiro. “O senhor não quis a CPI porque foi presidente de um clube famoso no Brasil e precisa da Confederação Brasileira de Futebol. Senador que retira assinatura de CPI não merece o meu respeito”, rebateu Couto.

O ex-mandatário celeste, que comandou o clube de 1995 a 2002 e de 2009 a 2011, rebateu ao alegar que a maioria dos senadores não deseja a criação de uma CPI às vésperas da Copa do Mundo, no que seria um momento inoportuno.

Recentemente, Zezé Perrella usou sua influência junto a José Maria Marin para conseguir que o Mineirão fosse liberado para o possível jogo do título brasileiro do Cruzeiro diante do Grêmio neste final de semana. Ao lado do também senador e ex-governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB-MG), a Raposa escapou da punição prevista pelo STJD após confusões no clássico com o Atlético-MG.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade