Futebol - ( )

Reinaldo crava e Tostão reconhece: Galo está à frente do Cruzeiro

Bruno Grossi, especial para a GE.net São Paulo (SP)

De um lado Reinaldo, maior artilheiro do Atlético-MG com 255 gols. Do outro Tostão, 242 tentos para liderar os goleadores do Cruzeiro. Em 2013, o primeiro semestre foi todo do Galo. O segundo foi dominado pela Raposa. Enquanto os torcedores rivais discutem bravamente para dizer quem mandou na temporada, os dois maiores ídolos dos mineiros, com pesar no caso de Tostão, concordam: o Galo é o melhor.

“É claro que é o Atlético. A gente tem o gênio, o bruxo, o craque que é o Ronaldinho Gaúcho, também tem o Diego Tardelli, que tem nível de Seleção Brasileira. É um time com muito mais destaques individuais do que o Cruzeiro, que agora está com um bom jogo coletivo”, declarou sem cerimônia Reinaldo, que vestiu alvinegro por 475 vezes.

Acervo/Gazeta Press
Tostão admite, com pesar, que o Galo ainda está à frente do Cruzeiro
A opinião foi compartilhada por Tostão. O craque tricampeão do mundo com a Seleção Brasileira e celeste de 1963 a 1972 hesitou. Preferiu dividir o ano, um semestre para cada time. Depois pensou como jornalista e reconheceu a superioridade atleticana, principalmente no setor ofensivo, mas não deixou de rasgar elogios ao elenco grande e qualificado dos cruzeirenses.

“O momento é do Cruzeiro, mas os bons momentos do Galo foram melhores. Eles tinham jogadores de maior talento, algo que o Cruzeiro não tem, a força está mais elenco. O Galo tinha quatro na frente com nível de Seleção, Ronaldinho, Bernard, Tardelli e Jô. O Cruzeiro é de jogadores que estão sendo reconhecidos agora. Os dois são muito bons, com estilos diferentes. O Galo tem jogada aérea e o Cruzeiro mais passe. A vantagem é do Galo”, admitiu.

O equilíbrio também esteve presente em campo, mas os números contradizem a opinião unânime dos ídolos. No Campeonato Mineiro foram três confrontos. Vitórias celestes por 2 a 1 na inauguração do Mineirão e no segundo jogo da final e triunfo atleticano por 3 a 0 na Arena Independência na ida da decisão para ajudar a garantir o título.

Pelo Campeonato Brasileiro, o Galo ainda curtia a ressaca pelo título inédito da Copa Libertadores da América quando visitou o rival no Mineirão e novamente saiu derrotado: 4 a 1. A vingança, mais uma vez, teve o Horto como palco e no segundo turno os atleticanos levaram a melhor com vitória apertada por 1 a 0 para adiar a terceira conquista nacional da Raposa.

Acervo/Gazeta Press
Reinaldo (à direita) não esconde a empolgação pelo grande momento vivido pelo Galo em 2013

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade