Esportes - ( - Atualizado )

São Paulo usou paixão grega pelo esporte em tarefa missionária

Bruno Grossi e João Victor Miranda* São Paulo (SP)

“Nenhum atleta é coroado como vencedor se não competir de acordo com as regras”. Assim pregou o apóstolo Paulo no livro 2 Timóteo, capítulo 2, versículo 5 do Novo Testamento. Devido a passagens como esta na Bíblia Sagrada, devotos de São Paulo e atletas do Brasil e da Itália têm promovido campanha junto ao Vaticano para oficializar o santo como padroeiro dos esportistas.

Antes de se juntar aos apóstolos de Jesus Cristo, o santo era conhecido como Saulo, um perseguidor implacável dos cristãos. Durante uma viagem a Damasco (atual capital da Síria), onde pretendia capturar mais seguidores do Messias, foi surpreendido por uma aparição do próprio filho de Deus. Jesus, então, questionou Saulo sobre o ódio nutrido aos adeptos do cristianismo e o perseguidor acabou perdendo a visão.

Leia mais: Brasil e Itália se unem para São Paulo ser padroeiro dos esportistas
Leia mais: Além dos Fatos - Blog do Nicolini apresenta projeto do Panathlon Club

"Paulo é mais conhecido dentro da Igreja Católica como um testemunho de Cristo que passou por tribulações, não desanimou e conseguiu fazer até mesmo um lista de sofrimentos para anunciar Cristo. Os ensinamentos de São Paulo possuem imagens do mundo dos esportes em relação a como viver. O atleta que recebe o prêmio, que luta, aprende a tratar o próprio corpo e a própria vida", explicou o Pe. Antônio da Silva, membro da Sociedade São Paulo.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
O padre Antônio da Silva recebeu os representantes italianos do Panathlon Club e da Família Paulina em São Paulo
Seus companheiros de viagem, que não enxergaram Cristo, mas ouviram sua voz, ajudaram Saulo a chegar a Damasco. Na cidade síria, Deus enviou Ananias para curar sua cegueira e o sábio cristão se deparou com unovo homem.

O perseguidor passou a ser perseguido e teve que fugir da cidade. Levado a Jerusalém pelos seguidores de Cristo, encontrou desconfiança dos 12 discípulos, mas contou com o apoio de Barnabé para se estabelecer no grupo. Já como Paulo, passou a pregar a palavra de Deus e foi enviado para tentar inseri-la entre povos gentios, já que recebeu educação grega durante a adolescência.

Sabendo da relação dos gregos com o esporte, resolveu implantar metáforas em suas cartas a Coríntios e Filipenses que ligassem a prática esportiva à religião. “Combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé”, afirmou em 2 Timóteo, capítulo 4, versículo 7.Ou ainda na carta aos Coríntios, em que fala que "os atletas abstêm-se de tudo; eles, para ganhar uma coroa corruptível; nós, para ganharmos uma coroa incorruptível", em referência à importância dos valores do esporte para a condução da vida cristã.

Divulgação
Basílica de São Paulo Extramuros é menor apenas do que a de São Pedro (Foto: Wikimedia Commons)
A data de sua morte varia de 64 a 67. Inicialmente o corpo do apóstolo foi enterrado nas Catacumbas romanas ao lado de São Pedro. Mais tarde, o túmulo passou a ser abrigado na Basílica de São Paulo Extramuros, também localizada no Vaticano.

"Quando se fala em São Paulo, pensa-se primeiro na cidade e no estado. Somente em outros lugares pensa-se imediatamente no apóstolo Paulo, no evangelizador. Um apóstolo que levou o evangelho até as extrmeidades da Terra, a povos que não eram da Primeira Aliança", completou Antônio da Silva.

*especial para GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade