Futebol/Brasileiro Série B - ( - Atualizado )

Sem falar com Nobre, Kleina se desapega do cargo e aceita time médio

William Correia São Paulo (SP)

Minutos após o Palmeiras garantir matematicamente o acesso à primeira divisão, no sábado, Paulo Nobre procurou Gilson Kleina no Pacaembu e, segundo o próprio presidente, avisou que marcaria ainda nesta semana uma reunião para discutir se renovaria com ele. A promessa, porém, ainda não foi cumprida, e o técnico já adota o discurso de trabalhar mais por profissionalismo do que na esperança de ficar.

“Não vou me apegar ao cargo. Até o presente momento, fiz o meu melhor e vou continuar com a mesma postura e a mesma ética”, disse o treinador, em entrevista coletiva nesta sexta-feira na qual admitiu até aceitar trabalhar em um time médio após o fim de seu contrato com o Verdão, em 31 de dezembro.

É o conformismo diante da falta de ação de Nobre. “Não fui procurado. Mas jamais vou vir aqui e estipular data. Tanto o meu futuro quanto o do Palmeiras seguem abertos, e o importante é que seja o melhor para a instituição. Se o melhor para o Palmeiras for a nossa continuidade, assim será. Senão, segue a vida”, falou Kleina.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
Sem permanência garantida pela diretoria, Gilson Kleina evita planejar o futuro como treinador do Palmeiras

O presidente anunciou que ainda discutiria os detalhes de um novo contrato e até ouviria os planos de Kleina para o Palmeiras de 2014, mas nada disso foi sequer conversado ainda. “Qualquer decisão que a diretoria tomar, acato e respeito. Só não vou entender que não houve renovação se não for bem esclarecido e justo. Mas, mesmo se não renovar, a diretoria tem muito o meu respeito”, afirmou o técnico, já preparado para não ficar.

Se antes do acesso o treinador citava seu desejo de trabalhar em um time de Série A no ano que vem, agora até esse discurso não mudou. “Não teria problema pegar uma equipe mediana, não vou desmerecer nenhum clube. Se aceitei, vou fazer o meu melhor. Mas é impossível ficar em uma potência como o Palmeiras por acaso, e quero me consolidar nesse patamar. Se não acontecer, vou reconhecer e me reavaliar.”

Kleina também tinha dito que, após o acesso, tanto ele quanto o clube poderiam decidir seu futuro, mas o técnico mostra um pouco de esperança em ficar ao se recusar a fazer isso neste momento. “Não vou me dispor no mercado tendo contrato com o Palmeiras. Se não acontecer, vou para casa com a mesma lisura que tive quando vim, não vou abrir mão dela até o final. Como vou abrir negociação sendo que tenho vínculo com o Palmeiras?”

Pensando assim, a motivação de Kleina, por enquanto, se resume à tentativa de ser campeão da Série B. “Falam muito de renovação, mas fico com os pés no chão, sereno. Sou do perfil da razão, fazendo o meu melhor para o jogador fazer o seu melhor. Essa é uma situação que temos que deixar para outro momento. Obtivemos o primeiro objetivo, o acesso, e agora vamos fazer de tudo pelo segundo, que é o título”, discursou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade