Futebol/Copa do Brasil - ( - Atualizado )

‘Sintonia’ entre Jayme e torcida do Flamengo marca superação no ano

Rio de Janeiro (RJ)

Desde que assumiu o Flamengo, Jayme de Almeida, que já havia vestido a camisa rubro-negra como jogador, sempre tentou explicar para os seus comandados a importância da relação do time com a torcida. Aos poucos, o atual elenco do clube carioca entendeu o recado, passou a criar certa identificação com as arquibancadas do Maracanã e esta sintonia culminou em resultados positivos. Após a vitória desta quarta-feira, o que confirmou a vaga na final da Copa do Brasil, os flamenguistas não deixaram de exaltar o publico de mais de 50 mil pessoas.

“O apoio da torcida eu sei que sempre vai ter. Ela faz a diferença e a gente só tem a agradecer. Eles lotaram o Maracanã, nos apoiaram e a gente fica feliz de ter conquistado a classificação”, disse o lateral Leonardo Moura, capitão do Flamengo e um dos jogadores mais queridos pela torcida.

O discurso também foi seguido por André Santos. “Eu acho que, mais uma vez, a resposta do torcedor esteve presente, ele nos empurrou e nos incentivou o tempo todo. Mesmo com muita chuva, eles saíram de casa e vieram torcer. Parabéns ao torcedor do Flamengo. Vamos em busca do título para eles”, projetou o lateral.

Na entrevista coletiva, Jayme de Almeida também falou sobre a força da torcida, comemorando o fato de o sorteio colocar o estádio carioca como palco do segundo jogo da decisão contra o Atlético-PR. “O Maracanã com a torcida do Flamengo é sempre emoção, é uma torcida que incentiva e a gente vai precisar dela. O sorteio nos ajudou e a gente vai tentar se aproveitar dessa força maior”.

Ao falar sobre o resultado desta quarta-feira, a vitória por 2 a 1 sobre o Goiás e a vaga na final, Jayme de Almeida relembrou toda sua trajetória como treinador do Flamengo. O comandante usou a classificação para exemplificar a capacidade de superação deste grupo rubro-negro, que há pouco tempo, com perdas sucessivas, estava desacreditado na temporada.

“Eu era uma incógnita, não era um treinador badalado e cheguei com a ajuda de muita gente. Ao longo do tempo, o time também conquistou certa maturidade, e isso facilita o trabalho, deixa o time mais forte. Era um time que ninguém acreditava, todo mundo era ruim e estamos na final”, destacou o treinador do Flamengo.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade