Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

STJD investigará polêmica conversa entre Júlio Baptista e Cris

Rio de Janeiro (RJ)

O procurador do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), Paulo Schmidt, confirmou que analisará as imagens da partida entre Vasco e Cruzeiro, disputada no último sábado, e investigará o polêmico diálogo entre o cruzeirense Júlio Baptista e o vascaíno Cris.

“Eu solicitei nesta manhã as imagens das declarações e os principais lances da partida, para que a gente possa avaliar qualquer tipo de manipulação. É óbvio que pode ser passível de penalidade. De uma forma inocente ou ingênua, o jogador (Júlio Baptista) pode ter colocado em risco uma carreira e até a credibilidade dos jogadores e do campeonato. Eu não quero acreditar que isso (manipulação) tenha acontecido, mas é nossa obrigação avaliar”, declarou Schmidt em entrevista ao canal ESPN.

No começo do segundo tempo do jogo entre Vasco e Cruzeiro, vencido por 2 a 1 pelos cariocas, uma câmera flagrou Júlio Baptista dizendo para Cris: “faz logo outro (gol)”. Naquele momento, o placar marcava 2 a 0.

O procurador revelou que, em princípio, a conversa entre os jogadores pareceu em tom de provocação. “Não pode ficar nenhuma dúvida acerca da credibilidade do resultado da partida. É preciso avaliar. Se for provado que houve manipulação, faremos a denúncia. Mas entre o que eu espero e o que efetivamente vai se mostrar, depende da análise”.

Marcelo Sadio/Divulgação/Vasco da Gama
Com a vitória sobre o Cruzeiro, Vasco chegou aos 41 pontos e manteve como real a chance de permanência
Paulo Schmidt explicou quais serão os procedimentos adotados pela procuradoria para denunciar uma eventual manipulação.

“No primeiro momento, vamos analisar o jogo e os principais lances - que não parecem ter tido nenhuma anormalidade -, as declarações e o que está disponível. De qualquer sorte, se não houver autoria e materialidade no conjunto da infração, posso solicitar uma abertura de inquérito. Então, o presidente deve nomear um auditor para fazer uma análise criteriosa do que ocorreu”, explicou.

O procurador revelou não se lembrar de caso parecido nos últimos anos e citou o caso do massagista do Aparecidense, Romildo Fonseca da Silva, que na partida contra o Tupi-MG, em setembro deste ano, válida pela Série D do Campeonato Brasileiro, entrou no campo para salvar o que seria o gol da classificação dos adversários.

“Não dá para comparar (os dois episódios). Não há nada que possa arranhar o campeonato neste momento. Espero que as demais equipes não polemizem ainda mais essa situação. Não há nenhum fato que possa justificar o insucesso de um ou outro ao longo do campeonato. Dentro do campo, o que se mostrou foi um equilíbrio técnico. Não é esse episódio isolado, aparentemente, que pode manchar o campeonato”, afirmou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade