Futebol/Copa 2014 - ( - Atualizado )

Tragédia em Itaquera se junta a acidentes em novas arenas do Brasil

São Paulo (SP)

A tragédia no canteiro de obras da Arena Corinthians, em Itaquera, na Zona Leste de São Paulo, soma-se a uma série de outros acidentes ocorridos nos novos estádios do Brasil. Nesta quarta-feira, dois operários terceirizados pela construtora Odebrecht (Fábio Luiz Pereira, de 42 anos, e Ronaldo Oliveira dos Santos, de 44) morreram após o desabamento de três estruturas metálicas do setor leste, atingidas pela queda de um guindaste.

Há pouco mais de um mês, um incêndio aconteceu na Arena Pantanal, em Cuiabá, que também está sendo erguida para sediar a Copa do Mundo de 2014. Placas com isopor armazenadas no subsolo da arena pegaram fogo, porém ninguém ficou ferido.

No Mané Garrincha, que já está construído, um operário morreu ao cair de uma altura de 30 metros em junho do ano passado. O estádio de Brasília já está pronto e recebeu até a Copa das Confederações neste ano, vencida pela Seleção Brasileira.

Em acidente semelhante, em março de 2013, um trabalhador também sofreu uma queda na construção da Arena da Amazônia e não resistiu.

Os acidentes também foram comuns em estádios que estão fora do Mundial de 2014. Na nova Arena do Grêmio, por exemplo, houve desabamento de torcedores no fosso em janeiro deste ano, durante jogo contra a LDU, do Equador, pela Copa Libertadores da América. Sete pessoas ficaram feridas depois da tradicional “avalanche” do público gaúcho.

Em São Paulo, na Arena Palestra Itália, a queda de um setor da arquibancada superior teve consequência mais grave: matou uma pessoa em abril de 2013.

Até mesmo um estádio que foi erguido para os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, em 2007, enfrentou problemas. O Engenhão, no Rio de Janeiro, está interditado desde março por conta de problemas estruturais em sua cobertura. A arena deverá continuar fechada até 2015.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade