Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Com eleição "ganha", Juvenal vai ao mercado sem consultar Aidar

Tossiro Neto São Paulo (SP)

O grupo político de situação no São Paulo já dá como ganha a eleição de 2014, mas Carlos Miguel Aidar só se aproximará das decisões do futebol se realmente tomar posse. Até lá, ele não terá voz ativa no planejamento para a próxima temporada, que começou para valer nessa semana, após uma reunião entre a diretoria e a comissão técnica.

Pela última vez em quase oito anos ininterruptos de gestão, o presidente Juvenal Juvêncio é quem comandará os rumos da equipe. Ele designou o gerente executivo de futebol, Gustavo Vieira, para liderar as negociações para contratar jogadores indicados pelo técnico Muricy Ramalho e o coordenador técnico Milton Cruz, os quais também têm feito ligações e se envolvido diretamente.

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press
Candidato à presidência, Aidar não tem se envolvido no planejamento, mesmo considerando já ganha a eleição
Ao contrário do grupo oposicionista, do candidato Kalil Rocha Abdalla, Aidar ainda nem começou sua campanha efetivamente, dada a extrema confiança na vitória. Presidente do São Paulo em dois mandatos na década de 1980 (de 84 a 88), ele lançará sua candidatura publicamente apenas em 2 de dezembro, em uma churrascaria da capital paulista.

Mesmo assim, o possível sucessor de Juvenal tem tentado se aproximar um pouco mais do dia a dia do futebol, depois de muito tempo distante. Na semana em que foi definido como o nome da situação, Aidar participou da reunião que substituiu Paulo Autuori por Muricy, na sala da presidência, no Morumbi. Também foi algumas vezes ao CT da Barra Funda para ver treinos da equipe. Mas, nas tratativas sobre reforços, ele não julga correto se meter neste momento.

Por enquanto, é Juvenal o alvo de reclamações de Muricy. "Estamos atrasados em relação aos demais clubes", cobra o treinador, com frequência. "Não dava para parar, porque estávamos em uma situação difícil no Campeonato Brasileiro. É o preço que a gente vai pagar. O mercado, a gente sabe, está fervendo já. Não há grandes opções, porque estamos atrasados. Os outros times já estão todos em cima (dos jogadores). Está complicado, mas vamos tentar".

Em alguns casos, a estratégia tem sido tentar convencer atletas de que o São Paulo, comandado pelo tricampeão brasileiro Muricy, é a melhor opção no futebol brasileiro. Mas, até agora, o único reforço certo para a próxima temporada é Luis Ricardo, lateral direito de 29 anos pelo qual a diretoria são-paulina tinha interesse antigo - o acerto com a Portuguesa, recém-firmado, deixou estabelecido que o jogador se apresentará ao novo clube somente a partir de janeiro.

Muricy também recebeu carta branca para outras duas listas: uma de dispensas e outra de jogadores que podem retornar de empréstimo. A primeira, bem maior, vai incluir aqueles que não têm recebido oportunidade mesmo quando há desfalques. Na segunda, um nome cogitado é o de Cortez. Afastado na época de Ney Franco, o lateral esquerdo agrada à atual comissão técnica, porém tem vínculo com o Benfica até o meio do próximo ano, assim como o zagueiro Rhodolfo, hoje no Grêmio.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade