Atletismo/São Silvestre - ( - Atualizado )

Após dois terceiros lugares, Marily evita projetar resultado na SS

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

A experiente Marily dos Santos será novamente uma das principais esperanças do Brasil na prova feminina da Corrida Internacional de São Silvestre. Com dois terceiros lugares no currículo, a atleta evita projetar um resultado para a prova do próximo dia 31 de dezembro.

“Eu e meu treinador não trabalhamos com perspectivas de colocação, porque a São Silvestre é muito dinâmica. Tem as estrangeiras que a gente não conhece, tem aquelas que já competem no Brasil, tem as brasileiras que gostam de provas com subidas e descidas e outras que não correm bem nesse tipo de percurso”, enumerou.

Treinada pelo marido Gilmário Mendes, Marily dos Santos subiu ao pódio no terceiro lugar da edição de 2008 da São Silvestre, vencida pela etíope Yimer Wude Ayalew. No ano seguinte, quando o triunfo ficou com a queniana Pasalia Chepkorir, a fundista alagoana repetiu o feito.

“Penso em diminuir o meu tempo nas passagens dos 5 e 10 quilômetros, mas preciso ter pernas para aguentar até o final, já que muita coisa se decide na subida da Brigadeiro. Ser terceira colocada duas vezes foi uma experiência boa para me manter confiante”, declarou.

No ano passado, de maneira bem sucedida, a São Silvestre foi realizada no período da manhã e teve largada e chegada na Avenida Paulista, duas medidas que deixaram Marily dos Santos satisfeita, uma vez que ela gosta de terminar o percurso de maneira competitiva.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
A experiente alagoana Marily dos Santos é uma das principais esperanças do Brasil na prova de São Silvestre
“Achei excelente a mudança para a manhã e o retorno à Paulista. É um prazer de subir a Brigadeiro brigando por posições, sejam elas quais forem”, declarou Marily, que nutre um carinho especial pela prova. “Meus resultados na São Silvestre me tornaram mais conhecida. É claro que todo atleta deseja reviver essas emoções positivas”, declarou.

As competidoras brasileiras lutam para encerrar um jejum na prova feminina da São Silvestre, já que a última local a vencer foi Lucélia Peres, em 2006. Desde então, triunfaram as quenianas Alice Timbilili (duas vezes), Pasalia Chepkorir, Prisca Jeptoo e Maurine Kipchumba, além da etíope Yimer Wude Ayalew.

A 89ª edição da Corrida Internacional de São Silvestre, idealizada pelo jornalista Cásper Líbero, será realizada no próximo dia 31 de dezembro. A largada do pelotão de elite feminino está prevista para as 8h40 (de Brasília), 20 minutos antes do grupo masculino.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade