Atletismo/São Silvestre - ( - Atualizado )

Coquinho condiciona sucesso de queniana na SS a aspecto psicológico

Bruno Ceccon e Yan Resende* São Paulo (SP)

A queniana Nancy Kipron costuma disputar a Corrida Internacional de São Silvestre na condição de favorita, mas ainda não conseguiu justificar a expectativa durante a prova. Para Coquinho, técnico e empresário da atleta, o sucesso da atleta depende da parte psicológica.

“Em termos de resultados, a Nancy talvez seja a mais forte, mas ela sempre foi uma decepção na prova. É uma atleta que não consegue fazer uma boa São Silvestre, mas na semana seguinte ganha de todo o mundo na Corrida de Reis, em Cuiabá”, disse Coquinho neste domingo, já em São Paulo.

Experiente, Nancy já venceu algumas provas relevantes no Brasil, como a Volta da Pampulha e a Meia Maratona do Rio de Janeiro. No entanto, na São Silvestre, principal corrida pedestre da América Latina, a competidora queniana não consegue render o seu máximo.

“Antes de uma edição em que era favorita, a Nancy chorava no Parque do Ibirapuera (local de treinamento) com tanta gente em cima. Ela pediu pelo amor de Deus para sair de lá. Em 2012, era favorita e perdeu até para algumas tanzanianas que costumava vencer com folga”, disse Coquinho.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Técnico Moacir Marconi, mais conhecido como Coquinho, condiciona o sucesso de Nancy na SS ao aspecto psicológico
Ex-corredor, o técnico e empresário atribui a situação incomum ao aspecto emocional. “Psicologicamente, ela não consegue. Isso é para as pessoas verem como a parte da cabeça é importante”, disse Coquinho sobre a atleta, uma das poucas com curso superior (é professora de inglês).

A 89ª edição ininterrupta da Corrida Internacional de São Silvestre, idealizada pelo jornalista Cásper Líbero, será disputada na manhã da próxima terça-feira. A prova feminina, com largada prevista para as 8h40 (de Brasília), será mais uma chance para a queniana.

“Todo ano eu trago a Nancy, porque ela quer vencer essa barreira na São Silvestre”, disse Coquinho, cético. “Com as condições atuais, é realmente uma das favoritas, mas na verdade é uma incógnita. Para mim e para ela”, disse o brasileiro, que também citou Maurine Kipchumba, atual campeã, entre as mais cotadas ao título.

*Especial para GE.net

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade