Atletismo/São Silvestre - ( - Atualizado )

Filho de campeão da SS-1963 se emociona durante visita à Fundação

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

O escritor e jornalista Kris Clerckx, filho de Henri Clerckx, ganhador da edição de 1963 da Corrida Internacional de São Silvestre, visitou a Fundação Cásper Líbero na manhã desta segunda-feira. Na sede da organizadora da prova, ele ficou emocionado ao ver os registros da vitória do pai.

Filho de Henri Clerckx corre SS para lembrar triunfo do pai

Campeão em 1950, Lucien Theys foi o primeiro representante da Bélgica a ganhar a prova paulistana, dominada por corredores do país durante os anos 1960 – depois do triunfo de Clerckx, Gaston Roelants conquistou as edições de 1964, 1965, 1967 e 1968.

No dia 2 de janeiro de 1964, o jornal A Gazeta Esportiva noticiou a vitória do pai de Kris Clerckx: “Venceu sem dúvida o mais forte, o mais preciso e o mais valoroso! Venceu aquele que soube tirar das condições gerais da partida o proveito melhor e o maior”.

Cinquenta anos depois da vitória do pai, Kris foi recebido nas dependências da Fundação Cásper Líbero por Carlos Francisco Bandeira Lins, presidente do Conselho Curador da entidade, e Julio Deodoro, diretor geral da São Silvestre e superintendente do portal Gazeta Esportiva.net.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Kris Clerckx (à dir.) ficou emocionado ao ver notícias da vitória do pai ao lado de Carlos Francisco Bandeira Lins
No arquivo do jornal A Gazeta Esportiva, o belga leu a manchete do dia 2 de janeiro de 1964 com entusiasmo: “Clerckx grande campeão!”. Enquanto folheava as páginas do periódico, Kris ouvia atentamente a tradução das notícias para o francês proporcionada por Bandeira Lins.

“Isso é algo muito especial para mim. Ver todas essas notícias de 50 anos atrás e a maneira que a vitória foi descrita é emocionante. Observando as fotos e a manchete da capa, estou percebendo o que a vitória de meu pai significou naquele tempo”, disse Kris.

Dias depois da São Silvestre, A Gazeta Esportiva costumava promover provas de pista com os principais corredores do evento realizado no último dia do ano. Em 3 de janeiro de 1964, o belga Henri Clerckx venceu os 1.500m disputados no Estádio do Pacaembu.

Munida de uma máquina fotográfica, Muriel Safi, namorada de Kris, aproveitou para fazer uma série de registros durante a visita à Fundação Cásper Líbero. Em homenagem ao triunfo de Henri Clerckx, falecido em 1985, ambos participarão da 89ª edição da São Silvestre, programada para a manhã desta terça-feira.

Acervo/Gazeta Press
Jornal noticia vitória de Henri Clerckx em 1963
“Ele vai disputar a mesma corrida que o pai ganhou há 50 anos. Isso é uma coisa que poucas corridas no mundo terão oportunidade de proporcionar, porque há poucas que tenham durado tanto tempo quanto a São Silvestre”, observou o presidente do Conselho Curador da Fundação Cásper Líbero.

Kris perdeu o pai com apenas nove anos e, nas páginas do jornal A Gazeta Esportiva, pôde ver que o corredor era obstinado. “Tão logo percorri os primeiros 500 metros, senti que a vitória seria minha a qualquer custo. São dessas coisas que não conseguimos explicar bem”, disse Henri há 50 anos.

Impressionado com as declarações do corredor, Kris lamentou a impossibilidade de visitar São Paulo ao lado do pai. “Se ainda estivesse vivo, com certeza ele também estaria aqui para recordar a própria vitória e ver a grande festa que a corrida é hoje”, declarou.

Kris Clerckx e Muriel Safi estarão entre os 27,5 mil competidores que disputarão a 89ª edição ininterrupta da Corrida Internacional de São Silvestre. Embora seja apenas mais um dos milhares de corredores amadores, o herdeiro de Henri tem a certeza de levar um grande prêmio para a casa.

“Meu pai ficaria muito feliz de ver que, 50 anos depois, estou aqui para disputar a São Silvestre em sua homenagem. Trabalho como escritor e jornalista, mas quero fazer uma boa prova. Espero participar novamente na 100ª edição da corrida”, projetou Kris.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade