Corrida Internacional de São Silvestre - ( )

Brasileiro que bateu Tergat relembra surpresa e incentivo da torcida

André Sender São Paulo (SP)

A vitória de Émerson Iser Bem na edição de 1997 da Corrida Internacional de São Silvestre, em que derrotou o queniano Paul Tergat, surpreendeu especialistas, a torcida e até o próprio atleta paranaense. O brasileiro esteve no pelotão de frente durante quase todos os 15km da disputa, mas não esperava ultrapassar a estrela africana no trecho final de prova como acabou acontecendo.

Tergat chegou à São Silvestre de 1997 como amplo favorito por conta de sua vitória nas duas edições anteriores da prova, a medalha de prata nos 10 mil metros dos Jogos Olímpicos de Atlanta-1996 e o tricampeonato no Mundial de Cross Country. O queniano realizou uma fuga já na subida da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio e parecia se encaminhar para mais uma vitória, mas Iser Bem, tentando se distanciar do pelotão, o ultrapassou já perto da entrada da Avenida Paulista.

Nos metros finais, o brasileiro achou que Tergat intensificaria o ritmo e acabaria retomando a primeira colocação da São Silvestre, e por isso acelerou seu ritmo para tentar cruzar a linha de chegada o mais próximo possível do adversário. O africano, no entanto, não aumentou a velocidade e Iser Bem conseguiu a vitória.

“Eu estava tentando fugir do Vanderlei Cordeiro e acabei passando o Tergat. Quando entrei na Paulista, achei que ele fosse me ultrapassar. Aí dei um tiro final pensando em sair na foto com ele, só que ele não estava em um dos melhores dias e não reagiu. Mas não existia um planejamento de derrotá-lo”, explicou Iser Bem, já aposentado.

O desempenho do brasileiro foi surpreendente também para a torcida nas ruas de São Paulo. Sem saber o nome do corredor paranaense que desafiava Paul Tergat, os espectadores da prova passaram a gritar “Brasil” para incentivá-lo, o que acabou dando resultado.

“Sempre atribuo parte da vitória a essa torcida porque as pessoas não sabiam meu nome e ficavam gritando ‘Brasil, Brasil’ e isso me deu uma carga de adrenalina muito grande. Se a corrida fosse em qualquer outro lugar do mundo e não houvesse esse grito da torcida, dificilmente eu teria a reação que tive”, avaliou o corredor.

Depois de surpreendido por Émerson Iser Bem, Paul Tergat voltou a brilhar nas ruas de São Paulo, vencendo a São Silvestre consecutivamente de 1998 a 2000. Com cinco títulos na prova, uma das mais tradicionais do calendário nacional, ele é o maior campeão da história do evento.

Gazeta Press
Émerson Iser Bem ultrapassou Paul Tergat na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio e disparou para a vitória

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade