Corrida Internacional de São Silvestre - ( - Atualizado )

Korir sobe um degrau em prova com "um dos percursos mais difíceis"

Tossiro Neto São Paulo (SP)

As curvas, descidas e subidas da Corrida Internacional de São Silvestre são, na opinião de Mark Korir, das mais difíceis que já ele enfrentou na carreira como corredor. Um desafio que torna ainda mais significativa sua segunda colocação na 89ª edição da prova, na manhã nesta terça-feira.

"É o quarto ano em que eu corro aqui no Brasil. Corri muitas provas, mas essa tem um dos percursos mais difíceis que já vi", opinou o queniano, que completou os 15km em 44min08s, atrás apenas do compatriota e agora bicampeão Edwin Kipsang (43min47s).

Dezessete segundos melhor, o tempo deste ano fez com que Korir subisse um degrau no pódio - no ano passado, além de Kipsang, ele havia sido superado também por Joseph Aperumoi. Apesar da evolução, o segundo colocado entende que poderia ter tido desempenho superior se tivesse se preparado melhor.

"Essa corrida não é fácil, é muito difícil. E eu tinha participado de uma maratona em novembro, a preparação é diferente. Mas tentei dar meu melhor", disse.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Queniano terminou a prova em terceiro, no ano passado, e desta vez cruzou a chegada como vice-campeão
A maratona em questão foi a de JoongAng Seoul, na Coreia do Sul. Seu melhor resultado até hoje, o segundo lugar na prova asiática (2h07min08s) o motiva a insistir na modalidade. A próxima já tem data marcada: em 16 de março, no mesmo país, Korir disputará a Maratona Internacional de Seoul.

Apesar de voltar o foco momentaneamente para provas de percursos maiores, o queniano promete retornar ao Brasil em 2014 para corridas mais curtas. Promete, inclusive, voltar ainda mais preparado para tentar o primeiro título da São Silvestre.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade