Atletismo/São Silvestre - ( )

Preparador do Timão em 1977 lembra SS e fiasco de campeão olímpico

Bruno Ceccon São Paulo (SP)

José de Souza Teixeira, preparador físico do Corinthians no histórico título paulista de 1977, costumava disputar provas de atletismo durante sua passagem pela Escola Superior de Educação Física do Estado de São Paulo. Participante da edição de 1957 da Corrida Internacional de São Silvestre, ele lembrou a própria performance e o fiasco do russo Vladimir Kuts durante visita à redação do portal Gazeta Esportiva.net.

Teixeira vê 1977 superior à Libertadores

Entusiasmado por Olten Ayres de Abreu, então presidente da Atlética da Escola de Educação Física, Teixeira representou a Federação Universitária Paulista de Esportes (Fupe) na prova. Na época, havia uma espécie de seletiva para a São Silvestre, disputada no dia 15 de dezembro, pela qual o então estudante passou sem maiores problemas.

A grande atração da edição de 1957 da corrida idealizada pelo jornalista Cásper Líbero foi o russo Vladimir Kuts. Nos Jogos Olímpicos de Melbourne, disputados em 1956, o competidor conquistou a medalha de ouro nos 5 e 10 mil metros, distâncias em que era recordista mundial na época da São Silvestre.

José de Souza Teixeira e Nelson Menoni foram os únicos representantes da Fupe que passaram pela seletiva realizada no dia 15 de dezembro. Desta forma, os dois jovens ganharam a oportunidade de fazer o aquecimento ao lado dos atletas estrangeiros da prova.

“Nos colocaram lá na frente, separados do resto do pelotão. Foi um orgulho muito grande, porque tivemos a oportunidade de ficar junto com os maiores do mundo. Lembro que eles iniciaram o aquecimento uma hora antes da corrida, o que nos deixou surpresos. Recebemos uma grande lição”, recordou Teixeira.

Sergio Barzaghi/Gazeta Press
José de Souza Teixeira exibe recorte de edição de 1957 do jornal A Gazeta Esportiva sobre a Corrida de São Silvestre
Disputada no período noturno, a edição de 1957 da São Silvestre teve largada na Avenida Cásper Líbero e chegada na Rua da Conceição, em um percurso de 7,3 km. O português Manoel Faria venceu com o tempo de 21min37, enquanto o astro russo Vladimir Kuts foi apenas o oitavo (22min46s).

“Todos apostavam as fichas no Kuts. Ao vê-lo sentado sem as sapatilhas depois do final da prova, percebi que ele havia cometido um grande erro estratégico. Correu com um calçado de sola muito fina e, no calor de dezembro, ficou com bolhas de sangue nos pés”, disse Teixeira, impressionado com a obstinação do russo.

“Não sei como o Kuts chegou ao final. Ele deveria ter parado com aquele problema nos pés, mas o orgulho de ser um atleta importante, a responsabilidade de correr pela União Soviética e os títulos conquistados o fizeram continuar. Não ganhou, mas fez um sacrifício muito grande”, completou.

Acervo/Gazeta Press
Vladimir Kuts decepcionou na São Silvestre-1957
Acostumado a disputar provas de 3 e 5 mil metros, José de Souza Teixeira, em sua única participação na Corrida Internacional de São Silvestre, terminou na 159ª colocação. Aos 78 anos, ele guarda cuidadosamente os recortes do jornal A Gazeta Esportiva que comprovam sua participação na prova.

“Ainda lembro dos gritos de incentivo dos espectadores da corrida. Foi um grande privilégio participar da São Silvestre”, disse Teixeira, exibindo, orgulhoso, sua foto ao lado de Carlos Joel Nelli, então responsável pela organização da prova pedestre paulistana.

Menos de um ano depois de participar da São Silvestre, Teixeira iniciou sua trajetória no futebol como preparador do técnico Vicente Feola no São Paulo. Integrante da comissão de Osvaldo Brandão no Corinthians de 1977, ele assumiu o comando do time em 1978 - no total, passou por 19 clubes e 11 seleções.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade