Corrida Internacional de São Silvestre - ( )

São Silvestre chega a quase nove décadas com recorde de atletas

São Paulo (SP)

A Corrida Internacional de São Silvestre chega nesta terça-feira à sua 89ª edição ininterrupta. Pela segunda vez com largada no período da manhã e novamente com chegada na Avenida Paulista, a prova de rua mais tradicional da América Latina terá ainda o recorde de participantes: mais de 27,5 mil inscritos, de 41 países diferentes.

Além de todos os estados do Brasil, terão representantes as seguintes nações: Quênia, Uganda, Tanzânia, Marrocos, Etiópia, Estados Unidos, Argentina, Alemanha, Suíça, Colômbia, Japão, México, Peru, Chile, França, Bélgica, Espanha, Albânia, Canadá, Gana, Holanda, Itália, África do Sul, Áustria, Barbados, Bolívia, Bósnia, Costa Rica, Dinamarca, Equador, Inglaterra, Israel, Luxemburgo, Martinica, Paraguai, Portugal, Romênia, Suécia, Uruguai e Venezuela.

Celeiro que mais dificulta para os atletas brasileiros, o continente africano estará bem representado mais uma vez. Cinco países de lá integrarão a elite. Os principais nomes são, claro, os atuais campeões - Edwin Kipsang (vencedor no masculino, com 44min04s) e Maurine Kipchumba (campeã do feminino, com 51min42s) -, que tentarão manter o jejum dos representantes locais.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Brasileiros tentam superar hegemonia africana e voltar a vencer a prova de rua mais tradicional da América Latina
A última vitória de um brasileiro na São Silvestre foi em 2010, quando Marilson Gomes dos Santos cruzou em primeiro. Depois dele, além de Kipsang, o vencedor de 2010 foi o etíope Tariku Bekele. Já a última mulher do Brasil campeã foi Lucélia Peres, em 2006. Desde então, ganharam as quenianas Maurine Kipchumba (2012), Priscah Jeptoo (2011), Alice Timbilili (2007 e 2010) e Pasalia Chepkorir (2009), além da etíope Wude Ayalew (2008).

Tatiele de Carvalho, sexta colocada no ano passado, acredita que possa quebrar essa escrita. "A questão é que não é tão difícil ganhar delas (quenianas). É que as brasileiras não têm tido sorte nos últimos anos. A gente vem trabalhando, se dedicando, mas simplesmente a sorte não bateu na nossa porta ainda e quem sabe seja neste ano", opina.

Entre os homens, a principal esperança é Giovani dos Santos, que em 2012 só ficou atrás de três corredores do Quênia. "Estou bem melhor do que no ano passado. Bati meus tempos nas provas deste ano. Venho fazendo um excelente ano e espero fechá-lo com chave de ouro, no lugar mais alto do pódio da São Silvestre", diz.

Para isso, no entanto, enfrentará o favoritismo de Kipsang e os demais quenianos. Depois de ter disputado o percurso de 15km pela primeira vez há um ano, o atual campeão esbanja otimismo. “Vencer a São Silvestre novamente seria uma das melhores coisas para mim. Esse ano vai ser mais fácil porque eu conheço percurso”, falou, assumindo-se como favorito.

Como no ano anterior, o local da chegada e do pódio será em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero, no número 900 da Avenida Paulista. A largada do pelotão de elite feminino será às 8h40 (de Brasília), vinte minutos antes dos homens.

Confira os horários de largada*:

Atletas cadeirantes (feminino e masculino): 6h50
Atletas portadores de necessidades especiais: 6h55
Atletas de elite A/B feminino: 8h40
Atletas de elite A/B masculino: 9 horas
Pelotão especial (feminino e masculino): 9 horas
Atletas geral (feminino e masculino): 9 horas

*Horário de Brasília

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade