Futebol/Mercado - ( - Atualizado )

Adilson Batista quer mais atacantes; Juninho não sabe se continua

Gazeta Press Rio de Janeiro (RJ)

De contrato renovado, o técnico Adilson Batista já começou a trabalhar na montagem da equipe para a próxima temporada. O treinador tem conversado com o dirigente Ricardo Gomes para avaliar os pontos fracos do elenco e quais as posições que precisam ser reforçadas.

No momento, a grande preocupação é com o setor ofensivo. Dos sete atacantes disponíveis na temporada passada, hoje, ele só conta com Reginaldo e Thales. Tenório, André e Willie, todos com contrato até o fim de dezembro, foram liberados pela diretoria para negociarem com outros clubes. Edmilson depende de um acerto financeiro para permanecer em São Januário. Pela vontade de Adilson Batista, ele continuaria no clube porque mostrou um bom desempenho nas rodadas finais do Campeonato Brasileiro.

Em janeiro, William Barbio que estava no Bahia, e Romário, no futebol português, também se reapresentarão para serem avaliados pela comissão técnica. A situação de Robinho será definida nesta segunda-feira, em reunião que acontecerá em na sede do clube.

Alguns jogadores seguem com situação indefinida. O zagueiro Cris e os meias Guinãzu, Dakson e Montoya ainda dependem de um parecer do treinador. O caso de Juninho Pernambucano é especial. O experiente jogador está lesionado e tinha manifestado o interesse de encerrar a carreira, mas só quando ele retornar das férias é que a diretoria ficará sabendo das verdadeiras intenções do atleta.

Segundo o vice-presidente de futebol, Ercolino De Luca, os jogadores que formarão o elenco em 2014, terão que se adaptar à realidade financeira do Vasco, que perderá algumas receitas por ter sido rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro. Segundo De Luca, o objetivo da diretoria é reduzir a folha salarial, que gira em torno de quatro milhões e meio, para três milhões mensais.

Batalha judicial - Os dirigentes ainda mostram confiança de que o Vasco poderá disputar a primeira divisão em 2014. Depois de duas negativas do STJD, o departamento jurídico viu, com satisfação, o presidente Flávio Zveiter repassar o recurso do clube para o Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva que vai julgar, no próximo dia 27, o pedido de impugnação da partida contra o Atlético-PR.

No recurso, o Cruz-Maltino argumenta que o Atlético, mandante do jogo em Joinville, não garantiu a segurança do público deixar de colocar o policiamento dentro do Estádio. No mesmo recurso, o clube carioca também pede também a redução da pena imposta pelo STJD que condenou o Vasco a perda de oito mandos de campo, sendo quatro jogos com portões fechados.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade