Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

CBF vai reduzir estaduais em 2014 e limitar jogos por mês em 2015

Rio de Janeiro (RJ)

Em comunicado oficial, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou as mudanças que pretende promover no calendário do futebol brasileiro a partir de 2014. Algumas mudanças estão previstas para 2015 por conta da Copa do Mundo.

“O calendário de 2015, que foi com as Federações Estaduais, os clubes e a parceira televisiva do futebol brasileiro, traz avanços que não puderam ser introduzidos nos calendários de 2013 e 2014 face à realização da Copa da Confederações e da Copa do Mundo em nosso país. Este ano as competições nacionais foram paralisadas durante 30 dias e em 2014 a parada será de 40 dias”, diz o comunicado.

A principal mudança que chega daqui dois anos é no limite de jogos por clube no período de um mês, que será reduzido para sete, com exceção das equipes que disputarem as fases finais da Copa Libertadores e da Copa do Brasil.

Também em 2015, as férias dos jogadores serão sempre de 30 dias por ano, com o calendário do futebol brasileiro tendo início apenas no mês de fevereiro.

Uma mudança importante que vai entrar em vigor já na temporada 2014 tem a ver com os Estaduais. Os campeonatos regionais de todo o País vão ter quatro datas a menos a partir do próximo ano.

Divulgação/CBF
O presidente da CB, José Maria Marin, anunciou as mudanças para o calendário nas próximas temporadas
Confira a nota na íntegra:

Tendo em vista as notícias que vêm sendo veiculadas na imprensa dando a entender que a Confederação Brasileira de Futebol tem se recusado a dialogar com um grupo de jogadores de futebol que apresentou reivindicações de diversas naturezas, a entidade maior do futebol brasileiro vem a público prestar os esclarecimentos que se seguem.

Desde 2003, quando pela vez primeira no futebol brasileiro foi aprovado um calendário permanente, a CBF tem dialogado com todos os segmentos do futebol com vistas a introduzir aperfeiçoamentos que atendam aos interesses de todas as partes envolvidas.

A modificação do formato de disputa da Copa do Brasil, a criação da Copa Verde e a reativação da Copa do Nordeste são exemplos de melhorias introduzidas em nosso calendário, que visaram a proporcionar maiores opções de entretenimento para os torcedores e novas fontes de receita para os clubes.

A decisão tomada no início de 2013 de arcar com todos os custos de passagem, hospedagem, arbitragem e exames de doping dos clubes que disputem as Séries C e D do Campeonato Brasileiro de Futebol, que outrora eram pagos pelos clubes, teve por objetivo permitir que tais agremiações se mantenham em atividade durante toda a temporada.

O calendário de 2015, que foi discutido e consensado com as Federações Estaduais, os clubes e a Globo, parceira televisiva do futebol brasileiro, traz avanços que não puderam ser introduzidos nos calendários de 2013 e 2014 face à realização da Copa da Confederações e da Copa do Mundo em nosso país. Este ano as competições nacionais foram paralisadas durante 30 dias e em 2014 a parada será de 40 dias. Observe-se que os jogadores que não forem convocados para integrar a Seleção Brasileira terão férias adicionais durante a Copa do Mundo.

A partir de 2015 as férias dos jogadores, que desde 2003 vêm sendo gozadas pelo período de 30 dias, continuarão sendo de 30 dias. Não haverá jogos pelas competições brasileiras de futebol nos meses de janeiro, permitindo assim que os jogadores tenham um prazo adequado para se condicionarem fisicamente antes do início da temporada. A cada período de 30 dias, salvo com relação aos clubes que venham a disputar as quartas de final, as semifinais e as finais da Copa do Brasil e da Copa Libertadores, os jogadores de cada clube não deverão disputar mais do que sete jogos.

Para que essas medidas, salvo com relação às férias, pudessem ser implementadas a CBF negociou, com os clubes e as Federações Estaduais, uma redução de quatro datas nos Campeonatos Estaduais já a partir de 2014.

O calendário de 2015 já estava aprovado quando um grupo de jogadores manifestou interesse em conversar com a CBF e clubes a respeito de reivindicações diversas. Este calendário atende todos os pleitos apresentados que dependem de decisões da CBF.

As questões pertinentes à relação de emprego, tais como pagamento de salários e número máximo de jogos por ano a serem disputados por cada atleta, devem ser discutidas entre clubes e seus jogadores, não cabendo à CBF interferir.

A CBF, entretanto, sempre estará à disposição para discutir as questões concernentes ao formato das competições, regulamentos e modificações no calendário que sejam do interesse dos clubes.

Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 2013.

José Maria Marin

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade