Futebol/Mundial de Clubes - ( - Atualizado )

Com atuação apagada, Galo vence Guangzhou e fica em terceiro

Do correspondente Wanderson Lima Marrakesh (Marrocos)

Depois de perder a semifinal do Mundial de Clubes, o Atlético-MG voltou a jogar mal na decisão do terceiro lugar do Mundial do Marrocos. O Galo expôs as fragilidades da equipe para o mundo, e chegou a tomar a virada dos chineses do Guangzhou Evergrande, mas conseguiu reagir e venceu por 3 a 2, na partida que marcou o fim do ciclo de Cuca no comando da equipe.

Logo no começo do jogo, o Atlético-MG abriu o placar com Tardelli, dando a impressão que o time iria mostrar o futebol de campeão da América. Ficou apenas na impressão, porque o Guangzhou passou a dominar as ações e virou o placar com gols de Muriqui e Conca, em cobrança de pênalti. Maior esperança do Galo no Mundial, Ronaldinho Gaúcho apareceu no fim da etapa inicial com um belo gol de falta. No segundo tempo, Luan garantiu a vitória do Galo.

Com o fim do Mundial de Clubes, os jogadores do Atlético-MG entram em férias voltando aos trabalhos em janeiro. Na reapresentação dos atletas, a novidade será Paulo Autuori, que vai assumir o comando da equipe na vaga de Cuca, que acertou com o futebol da China. A missão de Autuori no primeiro semestre será a de tentar o tricampeonato Mineiro e o bicampeonato da Libertadores.

O jogo – Querendo dar uma satisfação para a torcida após o revés contra o Raja Casablanca, o Atlético-MG iniciou a partida contra os chineses a todo o vapor, e logo no primeiro minuto abriu o placar. Marcos Rocha acertou ótimo cruzamento para Diego Tardelli, que apareceu atrás da zaga do Guangzhou para completar para as redes, abrindo os trabalhos em Marrakesh.

Após o gol, o Galo diminuiu o ritmo e permitiu a equipe chinesa crescer no jogo. Aos oito minutos, a zaga atleticana falhou bisonhamente e deixou o Guangzhou em condições de empatar a partida com ex-alvinegro Muriqui, que não perdoou e deixou tudo igual no marcador. A igualdade forçou o Atlético-MG a sair da zona de conforto para buscar o ataque.

Na sequência do gol chinês, os brasileiros tiveram uma boa oportunidade de marcar com Jô, que parou no goleiro Shuai Li. Errando muito, o Galo permitiu o contra-ataque ao Guangzhou, e em uma dessas jogadas, Lucas Cândido cometeu um pênalti infantil. Na cobrança, o argentino Conca bateu no meio do gol, Victor pulou para esquerda, e os chineses viraram o placar.

Com a equipe da China vencendo o jogo, a tranquilidade do Atlético-MG, que já era pouca, acabou de vez. A torcida do Galo, presente em grande número no Marrocos, passou a cobrar raça da equipe brasileira, que era dominada pelo Guangzhou. Aos 23, Conca cobrou falta cruzada para área e Victor teve que fazer grande defesa para evitar o gol direito do armador argentino.

Com o jovem lateral Lucas Cândido sentindo a pressão de jogar um Mundial de Clubes, o time de Marcello Lippi passou a explorar o lado esquerdo da defesa do Galo, escancarando as fragilidades do Atlético-MG. Preocupado, Cuca tentou orientar os atletas, mas equipe atleticana seguiu com dificuldades. Alegando lesão, Lucas Cândido foi trocado por Júnior César. Aos 45, Ronaldinho brilhou em cobrança de falta e voltou a deixar tudo igual no marcador.

Na volta para o segundo tempo, o Atlético-MG conseguiu manter a posse de bola, e se mostrou um pouco mais agressivo. Réver quase marcou desviando cobrança de escanteio de Ronaldinho. Jogando nos contra-ataques, o Guangzhou levou perigo contra a meta de Victor algumas vezes, o que deixa claro que a defesa foi o principal problema do Galo no Mundial.

Aos dez minutos, por exemplo, Réver perdeu disputa de bola dentro da área, mas Conca com total liberdade mandou sobre o travessão. Aos 12, foi a vez de Elkeson cabecear na trave. As duas jogadas voltaram a deixar o Atlético-MG nervoso, e o equilíbrio de ações passou a prevalecer.

Na tentativa de dar mais movimentação para a equipe, Cuca sacou Jô para a entrada de Luan. A mudança surtiu efeito, e a troca de posições no ataque do Atlético-MG começou a aparecer com Tardelli, Fernandinho, Luan e Ronaldinho, que foi expulso, sendo mais acionados no jogo. Aos 45, Luan foi lançado por Tardelli e teve calma para marcar o terceiro gol do Atlético-MG evitando vexame maior.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade