Futebol/Bastidores - ( - Atualizado )

Diretor do Vitória nega incentivo ao Santos e contato por Ney Franco

Vítor Dalseno, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

O Vitória não dependerá apenas de si para conseguir uma vaga na Copa Libertadores de 2014. Se vencer o Atlético-MG, no estádio Independência, em Belo Horizonte, o Rubro-Negro terá de torcer para que Botafogo e Goiás, respectivamente quinto e quarto colocados, não vençam suas partidas. Em caso de empate diante do Galo, os baianos entrarão no G-4 se seus concorrentes perderem.

Enquanto o Glorioso recebe o Criciúma - que ainda luta contra o rebaixamento -, no estádio do Maracanã, o Goiás enfrenta o Santos, que apenas cumpre tabela, no Serra Dourada. O temor de que o Peixe entre em campo desmotivado não atinge, no entanto, a diretoria do Vitória, que descarta oferecer algum tipo de incentivo financeiro aos santistas.

“Isso não é necessário. Cada um tem que valorizar a competição. O Flamengo ontem (domingo), por exemplo, veio só para cumprir tabela, e deu muito trabalho. O Atlético-MG, que não necessita chegar à Libertadores (via Brasileirão, já que é o atual campeão do campeonato continental), também poderia facilitar para a gente. Mas essa não é a nossa preocupação. Esperamos que venha a acontecer a combinação de resultados que a gente precisa”, disse o diretor de futebol do Vitória, Raimundo Queiroz, em entrevista por telefone à GazetaEsportiva.net.

Djalma Vassão/Gazeta Press
Ney Franco está entre os nomes cotados para substituir Claudinei Oliveira, que deixará o Santos no fim deste ano
A classificação do clube baiano para a Libertadores está também condicionada à Copa Sul-americana, já que, se a Ponte Preta for campeã, apenas os três primeiros colocados do Campeonato Brasileiro conquistarão a vaga na próxima edição da competição continental. Para terminar em terceiro, o Vitória precisará vencer e, além de torcer por tropeços de Botafogo e Goiás, contar com uma derrota do Atlético-PR para o Vasco – além de tirar uma diferença de seis gols em relação aos paranaenses.

“Seria muito importante se a gente conseguisse (a classificação para a Libertadores). Mas a gente bobeou em casa. No segundo turno, a gente está com a mesma pontuação do líder (Cruzeiro). No primeiro turno deixamos um pouco a desejar. Agora é aguardar”, declarou Queiroz.

Perguntado sobre o possível interesse do Santos no trabalho do técnico Ney Franco, o diretor de futebol rubro-negro demonstrou tranquilidade, e se negou a dizer se o contrato firmado com o Vitória prevê o pagamento de multa em caso de rescisão.

“O Ney Franco tem contrato até 31 de dezembro de 2014. Até o momento, eu posso garantir que o Santos não procurou a gente”, completou.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade