Futebol/Campeonato Brasileiro - ( )

Irritado com a diretoria do Coxa, Alex pode reencontrar Kleina

Do correspondente Luiz Felipe Fagundes Curitiba (PR)

O Coritiba garantiu sua permanência na Série A do Campeonato Brasileiro ao vencer o São Paulo por 1 a 0, mas pode ter se despedido de sua grande estrela. O meia Alex, desapontado com o ano coxa-branca, agora sinaliza que pode aceitar a proposta do Palmeiras para ser a grande contratação do ano do centenário e se reencontrar com o técnico Gilson Kleina, um velho conhecido.

“Alguns resultados ruins te consomem muito a energia. Agora nas férias, com a cabeça mais calma, tomarei uma decisão correta. Minha carreira sempre seguiu junto com a do Kleina, já trabalhei bastante com ele”, disse o jogador, que não esperava chegar ao final do ano lutando contra a degola. “No futebol brasileiro, não tem muito como imaginar isso. Vejam o Fluminense, que acabou rebaixado. Ninguém imaginava. Você às vezes vai para um time achando que a coisa vai ser redonda, mas não acontece. Existe planejamento, mas pode falhar”, analisou.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Triste com a direção, Alex pode trocar o verde do Coritiba pelo do Palmeiras na próxima temporada
O desabafo tinha como alvo o presidente Vilson Ribeiro de Andrade, que publicamente cobrou o grupo e, como resposta, pode ter afastado o maior ídolo do clube de uma renovação. “Vou conversar com o presidente e, se for para continuar assim, não dá. Ele falou muita besteira. Você ouve o dirigente do seu clube dizer que os jogadores não têm vergonha na cara... Não posso concordar. Engoli nessas últimas semanas, mas não dá. Se não houvesse dedicação, teríamos caído faz tempo. Mostramos a hombridade que muita gente achou que não tínhamos”, afirmou.

Alex, que jogou os últimos meses com uma lesão no pé, agora terá tempo para se recuperar e pensar em 2014. A condição, aliás, deveria ter sido digna de reconhecimento, mas virou agravante para rebater as críticas e abrir espaço para a sua saída do clube do coração. “No memento em que todo o mundo vai para as férias, vou trabalhar, seja na mesa de cirurgia ou na fisioterapia. E nesse contexto a coisa feriu mais. Na imprensa, fica um diz que me diz, e não engoli até o momento. Mas foi graças a esse grupo de jogadores comandado pelo Tcheco, que foi fantástico, que conseguimos a permanência”, concluiu.

Publicidade

Publicidade


Publicidade


Publicidade

Publicidade

Publicidade